28.4.14

Colher rosas à meia noite

O jardim está lá atrás. Fiquei a dever umas aspas ao jardim, porque a sua dimensão não lhe permite ser levado a sério como tal. O tratamento que tem também não, tal o desleixo que faz com que os cuidados devidos de hoje se tornem nos cuidados em atraso de amanhã.

Ainda assim, o jardim a quem deviam crescer aspas vê, em vez disso, crescerem-lhe rosas. De várias cores, em vários sítios, como se a natureza se risse por cada vez que a um jardineiro inapto calha um quinhão de terra.

Inapto serei, jardineiro ainda menos do que isso mas, quando a situação assim sugere, não há como descer as escadas já a noite vai avançada, colher algumas rosas e transformar inépcia num dado terreno em resultados que dão frutos noutro.

1 comentário:

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.