5.4.14

Agendar posts é como fazer horóscopos



Nesta espécie de cozinhado Bimby de retrospectiva, análise e parvoíce em torno do blog, reparei que a possibilidade de agendar posts é algo que me dá muito jeito. Não só me faz parecer uma máquina a bem oleada a debitar idiotices, distribuindo temas ao longo de dias, sem que isso corresponda exactamente à realidade dos factos, como também alimenta feeds sedentos de conteúdos, agradecendo eu aos deuses que os mesmos ainda não detectam qualidade, apenas novidade.

Na realidade não se trata de nenhum golpe de génio, meio mundo que tem blogs faz isto, mas a vantagem de não ter uma agenda, rubricas regulares ou médias a manter faz com que isto seja eficaz. Por exemplo, já se sabe que ao fim de semana as pessoas têm menos tempo para blogs, porque não há empregos a pedir pausas, nem dias chatos acabados em “feira” a pedir desabafos. O domingo ao fim do dia é porventura uma excepção, pois até o fim de semana tem as suas rotinas e a internet mesmo ali ao lado ajuda a evoluir.

Fotos de sítios onde estamos, estaremos, estivemos ou então nunca fomos mas ninguém precisa de saber disso (até porque se está na internet, deve ser verdade) podem cumprir os mínimos de publicação. Efemérides também resultam, até porque eu tenho saudades do Kurt Cobain e de fazer uma qualquer piada duvidosa com a expressão “atingir o Nirvana”. Desculpem, não devia, eu estive em Cascais, o mito vive, o post fica feito e a nostalgia é como o mel, dura que se farta e cola-se a nós.
Podia também apostar na futurologia transformando um jantar de sexta numa ressaca de sábado, sem que isso me permitisse dizer que acho que as Frizes estão com menos gás ou então ando a comprá-las no sítio errado.

Agendar o futuro, quando se tem um blog, é fazer sentir aos outros que estamos por perto mesmo quando estamos a milhas. É um postal telecomandado que chega ao destino quando nos dá jeito.
É certo que tem as suas falhas, mas entre dispositivos móveis e edições oportunas, rapidamente também podemos acrescentar as saudades que já temos de José Wilker, valha-nos que Roque Santeiro é imortal mesmo que não gostemos de novelas. E míticos acordeonistas portugueses, serão dignos de elogios depois de nos deixarem? Veremos o que acontece, tanto aqui, como na exposição a que irei assistir hoje à tarde, porque nem só de fait-divers e de golos do Manchester City vive uma tarde de sábado, especialmente quando o sol semi-brilha/chove mas não me sinto tolo/o nevoeiro não me tolda o caminho (riscar o que não interessa) lá fora.



E a preocupação de amanhã ir correr perto de 30kms com o sobrolho suturado? Deverei antecipá-la ou sobreviver para contar a história?


Sobram 26 dias de festa.

4 comentários:

  1. Festa é festa, mesmo com o sobrolho à Frankie Monsta.

    Um vídeo tipo Gglass do Domingo de corrida?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não queremos perturbar ninguém mais do que o necessário...

      Eliminar
  2. Essa é a tua posição :)

    Pega lá, guardei só para ti!
    http://guardianlv.com/2014/04/study-suggests-too-much-running-causes-shorter-lifespan/

    Quem amiga, quem é?
    Quem merece uma festa?
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já fui "bombardeado" com esse artigo :)

      Estou razoavelmente dentro dos intervalos sugeridos, mas agradeço os cuidados, não vá descarrilar...

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.