3.3.14

Um acidente de manhã, outro à tarde e outro à noite


O domingo estava cinzento, o que eu não sabia é que era um cinzento em tons de acidente e que parte dele ia ter tanta piada como aquele brincalhão que se mascara de apresentador no “Querido, mudei a casa”.

O acidente da manhã, não foi bem um acidente, foi mais uma aldrabice de Carnaval. Lá fui eu todo lampeiro, curtir a humidade, vento e vista magnífica dos 20kms de Cascais, que dão sempre direito a uma volta até ao Guincho. Nova organização, percurso diferente e, pouco depois do meio eu a notar que a prova ia ser mais extensa do que o costume e que mais valia ter cautelas para não ficar tipo pastel de bacalhau esborrachado. A coisa resultou e na parte final lá estava eu a passar rapaziada que já tinha ficado com o depósito para lá da reserva, incluindo um amigo meu que cometeu a proeza de, mesmo sem energia, conseguir proferir mais de dez insultos contra a organização em menos de 50 metros.

Da parte da tarde, um acidente da vida. Um almoço com um amigo e, de um lado um gajo todo contente por ter feito 20kms+1 em muito melhores condições do que estava a prever face ao reboot de treinos. Do outro, alguém com o stress de tentar perceber se teve uma arritmia, se o stress é pior que um coração partido e se a bateria de exames que aí vem vai dar como resultado um sorriso de alívio que é sem dúvida o melhor resultado de qualquer exame.

Finalmente, à noitinha, o acidente tradicional que fazia tanta falta como umas cuecas de lixa. Acesso à segunda circular, vou a entrar aí para sair de seguida para a radial de Benfica e, sendo um gajo atento, reduzo a velocidade por causa do lençol de água. Mal vou a dar a curva reparo no acidente, com a carrinha da Brisa já na estrada e dois carros na faixa do meio, 50 metros mais à frente. Não devo ter é reparado no óleo na estrada, pois numa fracção de segundo dou por mim a fazer um 360º, mesmo a tentar minimizar efeitos, mas com direito a bater com a frente nos rails pelo caminhos. Com muita sorte, no meio de tanto trânsito de fim de dia, não levei nenhuma pantufada de outro carro em circulação e o carro ficou voltado no sentido certo junto à berma. Passado o cagaço inicial, vejo se o carro funciona, para encontar ainda mais à berma. Saio para ver os estragos e tenho a parte dianteira descaída, a grelha partida e o capot não abre mas, ainda estou ali feito parvo a pensar se arranco ou não e já está um carro da polícia a parar atrás.
“Foi o senhor que nos chamou?”
“Eu não, acabei de fazer uma habilidade tipo circo e espatifei a parte da frente no rail. Deve ter sido o acidente da frente...”
“Pois...deixe lá ver isso, que nós hoje estamos com mais trabalho que o Pai Natal”

Os polícias foram impecáveis, ajudaram-me a colocar umas braçadeiras para o para-choques não ficar descaído e, vendo que o carro arrancava, recomendaram-me que fosse devagarinho até casa. E eu assim fiz, mais satisfeito por estar inteirinho do que f#%”#%o por ir gastar uma pipa de massa no carro, um mês depois de ter tratado da revisão/inspecção e por aí em diante.

A vida tem muitos acidentes, se não podemos escolher os que nos calham em sorte, ao menos que possamos passar por eles com danos menores.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.