21.3.14

Também a poesia é fodida


Hoje é dia.
 
Uns querem mas não conseguem,

Outros só conseguem sem querer,
Uns têm alma mas perderam-na
Procura a veia, encontra-a espetada,
É mais difícil encontrar um,
Do que fazer-se passar por ele,
“Comecei a ser poeta o mês passado”
“Sentiste-o no coração?”
“Não, comprei um kit no hipermercado”
Escrevem desalinhado,
Emitem sentimentos,
Dor, amor, solidão, alegria,
A preço de atacado.
O pouco passa por muito,
Ter lata vale ouro,
E entretanto no Facebook,
Lá se bate mais um couro.

O Foursquare anuncia a chegada do poeta,
Resta saber quem sabe do que fala e quem é o pateta.


Mais fodido que ser poeta,
Só foder poesia.
Confundir o não com o sim,
E ter assim um fim.


(caramba um tipo misturar poesia, palavrões e este blog é coisa que é capaz vingar tão bem como uma banca de cupcakes no Martim Moniz)

5 comentários:

  1. cupcakes indianos... ainda ninguém pensou nisso! Poesia é um domínio subjectivo, daí que não existe poesia que não vinga, existem apenas gostos e opiniões =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu devia cobrar por estas dicas de negócio é o que é...já por poesia devia era pagar multas :)

      Eliminar
  2. Gostei muito, mas poderias ter usado mais palavrões. Ficam bem em tudo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixei os palavrões para os comentários a isto por parte de quem eventualmente perceba do tema...

      Eliminar
  3. Eu ia escrever palavrões, mas tive vergonha...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.