6.1.14

Sempre a malhar no Poe

Neste preciso momento está a estrear mais uma série, com Kevin Toucinho como actor principal (naquele que me parece o papel do polícia do Mystic River uns anos mais tarde e todo feito num molho de brócolos). Um serial killer, daqueles mega inteligentes e igualmente perturbadores, é o seu antagonista.

Até aí, business as usual. Contudo, a inspiração por detrás dos actos criminosos, da intenção desta mente assassina é, ao que tudo aparenta, Edgar Allan Poe.

Já andámos por aí minha gente, até em filmes sobre a vida do sôr Edgar e eu, que até sou fã da obra, preferia ver destacados uns quantos autores diferentes, quem sabe um José Rodrigues dos Santos ou até mesmo uma Margarida Rebelo Pinto. Sempre dava para uns ângulos diferentes...


10 comentários:

  1. Não está a começar. Estás é a ver um "re-run". Vai dar a season toda esta semana.

    ResponderEliminar
  2. Pois, é isso mesmo, eu é que não ando atento :)

    ResponderEliminar
  3. E então Mak, primeiras impressões da série? Vi a apresentação e pareceu-me bem mas.....vale a pena gastar o meu tempo ou mais vale aproveitá-lo de outras formas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se queres que te diga, não odiei, mas também não fiquei colado. Porventura terei que ver mais um ou dois episódios para lhe tirar melhor a pinta.

      A questão é que me parece uma colagem de variadas séries/filmes dentro do tema, sem que haja ali um ângulo que me cative particularmente.

      E também me irritam séries com excesso de gente bonita em personagens que estão longe de precisar de o ser. A ver vamos...

      Eliminar
  4. Há tanta série boa por aí. Policiais não são bem o meu forte. Tirando o "Homeland" e o "Hannibal".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Homeland não será tanto um policial e, depois do final da terceira temporada, devia ter acabado. O que infelizmente creio que não é o caso...

      Eliminar
    2. Mak, não é policial mas "tem policias". lol. Era mais nesse sentido :)

      Eliminar
  5. Poe está bem. Quanto a alternativas, nunca teria as que mencionaste. Talvez, Mário Sá-Carneiro e outros da geração de Orpheu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em termos de riqueza de imaginário e de capacidade literária inspiradora estamos de acordo. Em termo de ironia do terror, nem por isso :)

      Eliminar
    2. hehe E qual seria a tua forma de destrinçar horror de terror?

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.