4.1.14

Roland Emmerich vs Cavaco Silva

Está neste momento a dar o 2012 na SIC. É uma filme-catástrofe, em que todos os efeitos especiais servem para dar emoção ao facto da Terra estar a ir com o catano. Não querendo gastar o vosso budget de tempo catastrófico, eis um trailer para quem não viu.



Para quem esteja a par do género, isto é um produto de um senhor alemão chamado Roland Emmerich. Na hora de botar catástrofes em filme, não há quem bata o tio Roland, que tem um palmarés invejável baseada na receita infalível de que o fim do mundo e a destruição são entretenimento à grande, quando se tem uns milhões para investir em efeitos especiais. Vejamos outras das suas pérolas:

O Dia Depois de Amanhã

O Dia da Independência

Godzilla

Do outro lado da barricada, Cavaco. Tal como Emmerich em Hollywood, Cavaco tem um percurso sólido no currículo, sempre dentro do seu género. No entanto, não precisa de efeitos especiais para mostrar serviço. Na sua quietude seráfica, no distanciamento técnico com que preenche um cargo que pede proximidade e carisma, e na sua incapacidade de comunicar como as pessoas normais comunicam, não há como ele a replicar aquilo que os filmes do tio Roland têm de pior - querer tornar algo imponente numa coisa próxima, mas sem nunca conseguir que tudo deixe de soar a falso e a artificial.

Ao menos o Emmerich ainda foca a destruição nos EUA, por cá sobra-nos disto e nem em tom pseudo positivo a coisa deixa de parecer catastrófica...






2 comentários:

  1. Ahahah...Hmmm, reparo agora que nós somos os protagonistas do filme do cavaco e que ainda ninguém descobriu como destruir o seu cérebro alienado.

    ResponderEliminar
  2. Não me lembro de me ter inscrito nesse casting...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.