20.1.14

Ouve o teu corpo antes que ele te faça a folha


O meu corpo tende a falar comigo, Isto não significa que sejam vozes na minha cabeça (mais do que o habitual) ou efeitos dignos dos Malucos do Riso, mas em certas situações ou expondo-o a certos limites, ele fala. O problema é que eu e o meu corpo já nos conhecemos há algum tempo e às vezes acontece-nos o mesmo que a alguns casais que estão juntos há anos – um fala, o outro diz que está a ouvir e na realidade nada acontece, até porque o segundo não ouviu o primeiro e o primeiro não teve paciência para fazer com que ele o ouvisse a sério.

Tal como nesses casais, a situação só passa a ser algo sério em que ambas as partes estão a tomar atenção quando a coisa dá para o torto e, mais do que conversa, é preciso acção.

Foi assim connosco – sábado o meu corpo alertou-me sobre algo que não estava bem “Epá, não estou a 100%, há aqui qualquer coisa que não está a bater certo, mas não sei bem o quê...”. E eu, que já o conheço, lá disse “Certo, hum-hum...” enquanto pensava que era bom que descansasse hoje, amanhã já estaria fino. Estes corpos estão cada vez mais refilões, dormem menos umas horinhas, fazem mais um bocadinho de exercício e ficam logo todos sensíveis.

De sábado para domingo o sacana acordou-me algumas vezes “Ouve lá, se calhar amanhã ficávamos a descansar na caminha, não?”, e eu “Dorme pá e deixa-me dormir que logo vemos isso”.

Obviamente que de manhã lhe resolvi fazer uma surpresa e, ainda ele não estava à espera e já estávamos a sair de casa em corrida a caminho da Expo, para daí ir até Algés. O gajo aguentou-se sem uma palavra na parte inicial, mas eu percebi que estava amuado. Tentei fazer conversa e nada, só o caminho da passada. A meio do percurso percebi que algo não estava bem, era ele a reclamar como nunca antes visto, a dizer que eu nunca lhe dava atenção quando era preciso e eu a tentar chegar ao fim rapidamente, para pôr fim ao tormento. Acelerei o que podia e o que não podia, com a consciência que não era o ideal mas o necessário. Lá cheguei ao fim, o ponto de encontro com a minha boleia e, mal parei, levei a maior descompostura do meu corpo dos últimos tempos e não me restou senão sentar-me no carro de rastos e acabrunhado.

Basicamente, parecia um rissol engripado, se é que isso existe. Mas foi assim que me senti depois de ignorar os avisos e fazer as coisas à minha maneira. Recuperando um pouco, fomos ao cinema à tarde, mas sinto que ele passou o domingo a punir-me e ainda hoje está bastante chateado. Já lhe prometi descanso, drogas e momentos de qualidade a dois durante a semana.
Até porque no próximo domingo gostava de o levar a passear a correr até ao Cabo da Roca...

9 comentários:

  1. Meu querido, só me apraz dizer que a idade é fodida. lol
    O Dr. Oz diz sempre para ouvirmos o nosso corpo porque ele fala connosco. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que aqui a teimosia é pior que a idade. Com os intervalos certos e sendo "melhor ouvinte" isto teria sido perfeitamente evitável, pelo menos ao impedir chegar ao registo rissol amarfanhado...

      Eliminar
  2. Eu passei anos a fazer ouvidos de mercador ao meu. Agora o gajo manda-me dar uma volta.

    R.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu baseio a coisa numa relação de altos e baixos. Em tudo o que realmente importa dou-lhe ouvidos, naquilo que não é tão relevante assobio para o lado.

      O problema é que o critério é meu...

      Eliminar
  3. rissol engripado lol
    ele agora está em modo: "me engana que eu gosto"
    mas mais a sério, ando a ler este livro do dr. oz:
    http://www.fnac.pt/YOU-Manual-de-Instrucoes-Michael-F-Roizen/a199486

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Começo a suspeitar quando mais do que uma pessoa me recomenda o Dr.Oz, embora não me importasse de vir trabalhar um dia com aquele equipamento estilo bloco operatório...

      Eliminar
  4. O nosso corpo está-se a marimbar para a diferença subtil entre persistência e teimosia, só não quer que doa. O problema é quando a cabeça também não repara nessa diferença (ou assobia para o lado, no caso da minha).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto podia ter sido mais soft, mas o problema de estar habituado a um certo tipo de esforços é que essas tais subtilezas entram muitas vezes no campo "quando acabar isto passa". No entanto, são raros os sintomas de gripe que desaparecem indo correr duas horas...

      Não é grave, mas derruba um pouco mais...

      Eliminar
  5. tchii! é o fim mundo!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.