16.1.14

O homem que não ligava a carros


Foi a meio de um projecto que tenho em mãos sobre uma marca automóvel (apontamento que fica sempre bem para mostrar que se é um profissional ocupado) que me apercebi de uma falha grave que ostento em termos de masculinidade tradicional – não ligo grande coisa a carros.

Percebo as razões que levam gajos a babar sobre os mesmos, não me é difícil compreender o entusiasmo gerado por motores, marcas, velocidade, segurança, estilo e sei a diferença entre o Fast&Furious e a Aston Martin. No entanto, nunca entrei num stand, nunca fiz um test drive, nunca comprei um carro novo e nunca melhorei os carros que tive com mais do que tapetes, escovas e auto-rádios.

Desde adolescente sempre tive à minha volta entusiastas do mundo automóvel, ainda hoje tenho à minha volta malta que delira com o Top Gear, que discute acaloradamente o futuro da Audi, da BMW e da Mercedes enquanto estatuto dos que, não sendo ricos, querem que o seu carro mostre que nesse capítulo não são pobres. E eu, que não vejo no carro algo mais do que um veículo útil para ir de A para B, meto o pisca e saio na próxima saída sempre que tais debates começam.

Pode ser por, tendo morado sempre em Lisboa, nunca ter tido necessidade de usar o carro diariamente, nem depender dele por motivos profissionais. Pode ser, mas não tenho a certeza.
Acho que não nasci com injecção electrónica para arrancar com a minha paixão automóvel.

Se atenuar a minha falha, pelo menos tenho um amigo que tem uma oficina. Mas não percebo metade do que ele diz quando entra em detalhes sobre o que faz...

18 comentários:

  1. És avesso a mudanças!? ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada disso, nessas coisas dou sempre os máximos ;)

      Eliminar
  2. E eu tenho uma amiga que tem uma oficina! Acho sempre fantástico as pessoas que decoram os modelos e as marcas, questiono-me se estudam todos os dias que carros andam a sair para o mercado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que, para alguns, é mesmo como gostar de moda, de cinema ou de plantas.

      No meu caso, no meio de uma data de interesses, também há quem possa estranhar o gosto por desportos americanos ou pela corrida.

      E, nesse sentido, algures vai estar alguém a escrever, "não percebo como pode haver gente que sabe provas e mais provas de corrida em portugal, o valor dos ténis em função da marca ou a média por km porreira para treinar longas distâncias".

      Simplesmente, no mundo masculino (mas não só), carros são um denominador mais comum em termos de interesses...

      Eliminar
  3. Eu tenho sem sombra de dúvidas o carro mais pobrezinho da aldeola onde habito. Chove lá dentro e tudo. Couldn't care less.

    (só a parte de começar a pingar lá dentro é que às vezes é um bocadito chata)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carro-jacuzzi? Não será um caminho para o pós-modernismo?

      Eliminar
    2. Infelizmente não faz bolhinhas.

      Eliminar
  4. Eu não ligo a carros, nem a tecnologias...mas como sou mulher não choca ninguém. Mas, se a verdade é que tb não tenho paciência para compras...o que raio se passa comigo? Ahahhahaha!!!!! Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas se meterem umas minis e uma jogatana de bola ao barulho vais ter que te justificar melhor...


      PS - Eu já vi gente que não é nada tecnológica com iPhones muita modernos, por isso everything is possible ;)

      Eliminar
  5. adoro carros!!! (e consigo perceber quase tudo do que me diz o mecânico :)) de algum lado me vem o gosto para os calendários ;)

    mas entendo-te, morando na cidade, um carro torna-se muitas vezes mais um empecilho (estacionamento e despesas), do que um objecto essencial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é bom, eu só percebo até um certo ponto, mas consigo mostrar mais interesse do que na realidade tenho, se tal for necessário para manter o equilíbrio do Universo.

      Para além de correr e andar, também gosto de transportes públicos, porque os posso tomar em dose moderada e ver as coisas numa perspectiva sociológica e humorística sem desesperar.

      O carro torna-se assim um extra super conveniente, mas não um interesse dedicado.



      PS - Ainda não agradeci lá pelas tuas bandas a maravilha que foi descobrir as reconstruções de comentários no Youtube. Que delícia.

      Eliminar
    2. :)))

      (acabaste de o fazer :)

      Eliminar
  6. Eu também sou mulher e não ligo a sapatos. Somos a excepção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ligo a ténis, mas por questões técnicas a par de estéticas ;)

      Eliminar
  7. Estou como tu. Por isso é que espero que o meu pai e/ou o meu irmão não se lembrem de falecer antes de eu me lembrar que quero um carro novo; porque por mim comprava sempre o que fosse mais bonito e com mais gadgets interiores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não raras vezes, quando opino sobre carros, fico com alguns experts ao meu lado a olharem-me com ar desconfiado e paternalista...

      É o que dá ter gosto mas não ter conhecimento.

      Eliminar
  8. Eu também não sou propriamente grande amante de carros. Gosto de os ver mas não sinto especial desejo de os ter. Eventualmente gostava de dar uma volta em alguns modelos, nada mais. Ainda assim, amigo Mak, e isto é o ponto onde quero chegar, venero o Top Gear. Porque gosto do sentido de humor retorcido do programa. Ok?? ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Top Gear é entretenimento, quer percebas muito ou pouco de carros. Também conheço gente que não cozinha e gosta do MasterChef ;)

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.