10.1.14

O filósofo do xixi

A caminho do Metro passas por um jardim. Ao passar pelo jardim, vês que vai um velhote à tua frente.
 

O velhote à tua frente, que parece coxear, começa a olhar de esguelha para trás. Não te surpreendes, pois não raros são os idosos que olham de esguelha para ti, possivelmente com medo que os assaltes.
O velhote abranda e tu pensas que é para te deixar passar. Afinal parece que não, abranda porque ali está uma árvore, ou seja, um belo sítio para mijar. 

Continua a olhar de esguelha para ti.

Conforme passas por ele, com o som daquela fonte improvisada a pautar a tranquilidade matinal, deve ter parecido que te estavas a rir (o que pode não ser mentira, mas era uma espécie de riso incrédulo).

O velhote, o tal que mija numa árvore no meio de um jardim enquanto olha de esguelha para malta que vá a passar, não resiste a dizer em voz alta "Ri-te, ri-te, quando chegares à minha idade mijares de pé já é uma sorte...".

É sempre bom aprender filosofias de vida ao som de cascatas de xixi no jardim.

3 comentários:

  1. E o que era um riso teu, transformou-se num semblante carregado, ao pensares na vida e no futuro e no que é ser velho.
    Life hit you right in the face!

    ResponderEliminar
  2. Aprender filosofias de vida ao som de cascatas de xixi; está porreiro. Keep up,

    ResponderEliminar
  3. Mais vale mijar quieto do que encher a phralda em mar-cor, acredita :D

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.