2.1.14

O baú das resoluções


Há uma razão pela qual eu não corro no dia de Ano Novo - Não gosto de fazer no primeiro dia do ano aquilo que já faço regularmente em todos os outros.



(Haveria aqui espaço para falar da avalanche de corredores de dia 1 e que, por volta de dia 8, depois desaparecem para nunca mais serem vistos, mas não gosto de dar machadadas em boas intenções)



Em termos de semântica, também não adoro “resoluções”, “decisões”, “projectos” que se colam ao rótulo do ano que vai começar. Por experiência já aprendi que quanto menos falar e mais fizer, maior a probabilidade de ver algo acontecer.

Percebo que possam ser uma ajuda, uma página importante na agenda do ano que está para vir, mas nada me parece mais frustrante do que ter que ir vezes sem conta ao baú das resoluções tirar aquilo que ainda não foi feito, mas este ano é que vai ser.



Creio que o termo “desabafos” acabaria por fazer mais sentido (não misturar isso com os desejos das passas, que essa é uma actividade bem mais mística). Que cada um desabafe com o coração aquilo que lhe apetecer para o próximo ano, mesmo que a razão torça o nariz e a vontade comece a assobiar para o lado. Sempre terá um cunho mais verdadeiro que uma “resolução”, um termo bem mais político e, como tudo o que é político, bastante mais provável de não ser cumprido e deixar uma sensação de engano no ar. 



7 comentários:

  1. É a mesma razão porque faço questão de correr no último dia do ano, porque faz mesmo parte de mim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também corri no 31 de manhã, ou melhor, nadei durante os primeiros 20 minutos em que caiu um dilúvio e depois sim, corri um bocadinho.

      Eliminar
    2. Pior só no dia 24 de Dezembro. Aí tive pena de não levar um pára-quedas para fazer kite-run.

      Eliminar
  2. Opah, opah! Esse é para mim, eu que raramente corro, fui correr, não teve nada a ver com o "este ano é que é" que eu até sou rapariga de ir ao ginásio regularmente, foi mais uma metáfora tornada realidade, esquece, não interessa. A questão é que fui totalmente humilhada por um sexagenário, uma mulher toda cheia e si mesma, vai-se a ver e os olhares que eu tinha por admiração eram de puro dó....
    Feliz ano novo Mak.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde que não siga por aquele caminho que agora parece ser moda, que é ir para um ginásio e depois vir correr para a rua com um colete reflector, como se correr na rua fosse uma aula, menos mal.

      Além disso, até dia 8, 15 ou 23 há sempre margem para provar que estou enganado...

      Adicionalmente, umas quantas milhas nas pernas já me ensinaram que nunca se pode julgar o ritmo/andamento de alguém pela sua aparência e/ou idade. Não raras vezes idosos e vetustas mães de família já passaram por mim em meias maratonas, maratonas e afins, sem espaços para ais nem uis. Até na última São Silvestre só nos últimos 200 metros ultrapassei uma jovem que bamboleava arcaboiço por tudo onde a lycra permitia e ela parecia estar tão à vontade como eu.
      Vá sempre por si, que será sempre a sua melhor referência.

      Força nesse 2014 e que seja da boa.

      Eliminar
    2. Em minha defesa eu corri no dia 31. O que faz com que, em teoria, a coisa não esteja directamente relacionada com o novo ano.

      Eliminar
  3. eu tenho a boa vontade e a resolucao de pegar nos tenis e ir correr. Algo que raramente acontece. Tenho de quebrar os meus maus habitos, mas nao e de agora, nem e pra este ano. Recuso-me a escrever como objectivo que vou fazer mais exercicio qdo ja sei que nao vou. Nao e por escrever q vou mudar. Tenho e de descobrir pq raio nao corro mais vezes.
    Eu gosto de fazer resolucoes, mas sao coisas bem mais abstractas, como metas de poupanca, sitios q queira ir visitar ou coisas a longo prazo. Mas nao necessariamente pq vem um ano novo. E so 1 nr que muda, o resto fica tudo na mesma. Isso e a boa vontade

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.