23.1.14

Filmes que assustam sei lá, o Homem

Neste trailer, a dada altura, uma mulher diz a um homem que ele foi um paliativo. Mantendo o estilo da linguagem, em salas onde isto seja exibido deviam ser facilitados cuidados paliativos a quem arrisque.



Sim, é um bombardeamento de clichés e sim, é uma adaptação de uma "obra" dessa sempre tão requisitada senhora. Mas o meu problema é que olho para isto como uma laranja sem sumo que, depois de já ter sido espremida ao máximo, alguém ainda se lembra de a servir como sobremesa.

Estas fórmulas, estes diálogos, o bitoque da Guerra dos Sexos nas Cidades à portuguesa, meu Deus. Não houve uma série na SIC sobre relações, traições e confusões que era este filme, mas há 4 ou 5 anos atrás?

Se é para fazer cinema em português, sem necessidade de o fazer intelectual e elitista, não deveria haver a vontade de o fazer original? Se é para falar de mulheres e homens, só faz sentido neste tom, para ser descomplexado, moderno e divertido, mas a cheirar a plástico?


7 comentários:

  1. Ai. Vou ficar mal-disposta o fim-de-semana todo.

    É disto que a malta gosta, manter os homens em Marte e as mulheres em Vénus, que é para o mundo continuar a fazer sentido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "A malta" não gosta, a malta explora o filão até à exaustão e depois às tantas já é como continuar a mascar uma pastilha que perdeu o sabor há muito tempo...

      Eliminar
  2. Isto é tão anos 90. Já não há muita paciência, ou então a mim é que já vai faltando.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma adaptação, mas podia ser uma tentativa de uma nova perspectiva, mesmo que o original já não prometa grande coisa. Mas não, é chão que nem uvas deu, só passas ressequidas...

      Eliminar
  3. Em pleno século XXI, ainda se fazem destas coisinhas básicas. Pior! Ainda se pensam nestas coisinhas básicas. Enfim...
    Possivelmente vai ter uns bons milhares de espectadores e no fim do ano podem dizer que é mais um passo positivo no cinema português. E viva o povinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Num produto tipo novela, em que é a mesma fórmula reciclada e adaptada ao longo dos tempos, mudando apenas os enfeites, eu até percebo que certas tramas/argumentos sejam sempre os mesmos e nem se disfarcem (Duas famílias que se odeiam / amores impossíveis, etc).

      Neste caso, é um filme, um projecto pensado e explorado com base num livro. Obviamente a perspectiva é comercial, mas até no lixo comercialóide que tantas vezes nos chega via Hollywood vemos coisas mais apelativas...

      Eliminar
  4. Epa se a Casa dos Segredos é líder de audiências, esta porcaria vai esgotar salas com certeza!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.