26.12.13

Espírito de Natal - Uma espécie de musical



Primeiro que tudo, uma breve explicação sobre o que andei a fazer nos últimos dias:




Agora que já sabem que há uma elevada probabilidade de eu estar a teclar com os dedos gordurosos ou até mesmo com a barriga, passemos ao interlúdio musical. E isto tem que ver com a minha relação com as músicas de Natal e a forma como o meu espírito evolui ao longo dos dias em que estou exposto a elas.



A – A coisa começa com um sensação de paz e acalmia. A tolerância às músicas é elevada e nenhum exemplo é excessivo.





B – Há uma certa euforia, o consumo de licores pode ajudar à mesma. Pensas em deixar  crescer um bigode só para fazer vibrar o resto da família com a onda de Natal.





C – A animação atinge o pico e a nostalgia está instalada. Relembras as músicas de Natal que te fizeram vibrar, o tempo em que o Natal dos Hospitais era a sério e em que lambada e Natal não eram sinónimo de violência doméstica.





D – A coisa já começa a passar um bocado das marcas. A expressão “músicas de Natal” já te começa a irritar e o facto da oferta de bebida não ser tão diversificada como a comida na mesa parece-te ultrajante. Há um misto de depressão natalícia que se mistura com a alegria. Esta música começa a fazer sentido porque os irlandeses é que se divertem e a tua dicção começa a estar ao nível da do vocalista dos Pogues (o look não anda muito atrás. “Quémirembora” é um pensamento que te assalta.





E – O teu entusiasmo fugiu pela lareira juntamente com aquelas luvas eléctricas que te ofereceram e te parecem um convite ao suicídio. A única música natalícia que te ocorre tem nas entrelinhas o apelo ao homicídio em fatias douradas. Começas a pensar que quase, mas quase que já preferias estar a fazer planos para o rei velhão.


Com "sorte" e é mesmo com muita "sorte", escapaste-te ao flagelo que congrega desaires amorosos e a época que decorre. E, tal como eu, tentaste suspirar fundo, mas o esófago cheio de comida não te permite desportos radicais desse género.

1 comentário:

  1. Por via das dúvidas, mantenho algumas rabanadas no frigorífico, não vá haver uma melhoria do estado geral...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.