14.11.13

O meu Deus das espargatas


Quando se é miúdo é fácil pensar que podemos fazer tudo, só porque sim.

No que às espargatas, aprendi da forma mais dolorosa que as coisas nem sempre são tão fáceis como imaginamos.



Mas a culpa foi do Van Damme e é fácil perceber porquê.













Ele era o expoente máximo da espargata, um actor mais expressivo no acto de abrir as pernas do que a abrir a boca. Não havia filme em que não surgisse um bom pretexto para ele fazer a sua trademark, quer fosse herói, vilão ou apenas um tipo nuns collants suspeitos.



O meu falhanço na arte de fazer a espargata redobrou a admiração pela capacidade de Jean Claude a conseguir executar como quem se espreguiça. E hoje, foi quase com lágrimas nos olhos que fiquei depois de ver este anúncio, não só pela maravilha nostálgica que é, como pelo facto de ter tentado de novo fazer aquilo que não consegui fazer em miúdo.









Bem hajas Jean Claude, a tua expressividade pode estar a perder qualidade, mas a tua espargata continua divina.

4 comentários:

  1. Nosso Deus :)
    A 1a foto foi a maior fonte de inspiração que tive durante anos para treinar a sério. Tudo porque, aos 13 anos decidi ter uma foto como aquela. Demorou muitas dores, mas valeu a pena.
    O que é admirável é ele fazer isto ainda hoje "como quem espreguiça".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, eu consigo mexer as orelhas, uma só orelha sem lhe tocar e por aí em diante. Foi treino árduo, mas creio que me desviou do caminho da espargata.

      Ainda assim vénia para quem já a fez ou ainda a faz sem necessidade de chamar o INEM a seguir ;)

      Eliminar
  2. http://www.youtube.com/watch?v=EMlpiey20b8

    tinha que te mandar :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Classe. Agora só me falta gostar daqueles filmes em que o gajo dança cenas rebeldes e modernas ;)

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.