23.10.13

As palavras não são unissexo - publicidade


Saiu recentemente uma campanha de publicidade interessante para as Nações Unidas (tudo o que é ONG e afins é sempre apetecível em termos de “criatividade”), focada nos direitos das mulheres e no sexismo que ainda existe pelo mundo inteiro.





Se descontarmos o toque irónico da campanha ter origem no Dubai, onde as mulheres certamente gostariam de ter mais do que uma campanha a fazer-lhes justiça, o que para mim torna a coisa realmente interessante é o facto de não ser apenas mais do mesmo, em termos do argumento criativo. Os senhores utilizaram bases reais de pesquisa no Google para chegar ao resultado final e aquilo que aparece é aproximadamente a soma dos resultados mais frequentes quando se pesquisa o início.

É certo que o que uma pessoa pesquisa não é um sinónimo imediato da forma como pensa ou da sua mentalidade, mas sempre se detecta um padrão. Curioso como sou, resolvi fazer a experiência, só para ver até que ponto a campanha contornava ou não a realidade e eis o que encontrei hoje.


Curiosamente, apesar de três dos quatro resultados para mulheres bater certo, o primeiro não tem tanto a ver com sexismo, mas mais com sabedoria ancestral que não tem aplicação prática na forma de "as mulheres não deviam andar atrás de homens", algo que possivelmente preocupa mais o comum internauta que a capacidade feminina de votar, usar calças ou conduzir.

Já o que é interessante no reverso da medalha é ver que os resultados que surgem para pesquisas em relação a "men" parecem ser fruto de pesquisas femininas e totalmente triviais. No entanto, há que realçar a importância dada à capacidade masculina de poder usar calções de banho curtinhos ou o número de amigos que estes devem ter no Facebook (vou ter que aviar perto de 40, para ficar dentro dos limites).

A título adicional, resolvi ajustar este tipo de pesquisas no masculino para português e eis o que se arranja.


 Pois é...

3 comentários:

  1. Uma campanha brilhantes. Acho que as pesquisas diferem de utilizador para utilizador.

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Também gostei muito dessa campanha e também fui fazer as experiências googlistas. A das mulheres é assustador, sim, mas a dos homens, apesar de aparecerem coisas mais triviais, têm que ver também com (pseudo) regras do que é "ser homem". Homem que é homem não usa calção justinho, pá! (ironia)

    ResponderEliminar
  3. LOL! fantástico... a versão PT não desaponta...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.