9.9.13

Ruas de Viseu, Bijeu, Rotunda City e não só

Entro hoje de férias e entro a correr 32 kms por terras lisboetas, coisa que devo estar a fazer à hora a que isto será publicado.
Porquê?

Porque posso e porque sou dado a alucinações do género, não necessariamente por essa ordem. Além disso, parece que o início de Outubro promete em matéria de corrida e eu gosto de ter pernas à altura da ocasião, ainda que não em termos de depilação.

No entanto, ao invés de vos vir para aqui começar a semana com relatos encharcados em suor, camelbacks, cremes e mamilos em chaga, o debate entre barritas ou gel energético e por aí em diante, enquanto palmilho a rota fiquem com uma espécie de registo visual dos últimos dias.

Não do que seria esperar, de cerimónias a que todos já fomos, de canapés simpáticos, de belos cenários em quintas e louvores de hotelaria, nem sequer da decadência que por vezes se instala com o avançar da hora e do álcool. Sim, fui a um casamento, sim fui muito bem recebido, mas se chutar algumas linhas sobre o assunto, será sobre o que não faz parte dessa ementa típica.

Neste blog idiota, os registos são para se manterem. Vai daí, isto é o que temos, até porque eu sou um apaixonado de letreiros que sobrevivem quer ao tempo, quer à lógica:

Na Feira de São Mateus, onde descobri que a Família Oliveira domina o negócio das farturas e que o Ronaldo estava a aviar a Irlanda do Norte enquanto eu investigava uma possível nova viatura.

Cada tiro, cada prego que dá sentido à história.

Por razões de segurança optei por não visitar a cave nem conhecer as filhas do dono.

Olex, Denim e Couto numa só montra. O resto é mato e a adrenalina podia ter partido o vidro.

Malta adepta do naming moderno de lojas, a terminação "ália", tirando em cervejarias, não é sinónimo de distinção

A questão até podia ser "Nancor" ou "Rancor", mas aquilo que eu perdoo no erro humano do quotidiano chateia-me um bocadinho mais quando alguém pagou e o erro está afixado na nossa porta de entrada.

 


1 comentário:

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.