29.8.13

Se pudesse, sonhava por capítulos



Sou eternamente insatisfeito em relação ao que escrevo e, quando não estou a escrever, muitas vezes estou a pensar no que podia ter escrito ou na melhor forma de escrever algo. Chego ao ponto de às vezes, mesmo antes de adormecer, tentar criar o efeito de sugestão aos meus sonhos, pensando em coisas que ando a tentar escrever, para ver se ideias e soluções surgem durante o sono.



No entanto, sou comedido naquilo que tento projectar, nunca se trata de “saca lá aí um sonho que tenha um enredo deslumbrante para um romance” ou “porreiro, porreiro era sonhar com uma série de sketches que dessem origem a um novo capítulo do humor em Portugal”. São sempre coisas de pormenor, de alavanca, de toque na engrenagem, porque não é raro estar a pensar em vários campos ao mesmo tempo, indo de projectos profissionais a pessoais e chegar ao fim do dia sem ter tido o tempo que queria para pensar em tudo o que precisava.



A verdade é eficácia desta técnica está ao nível de um mimo a bater o coro a uma ceguinha, ou seja, normalmente não se vê nada de jeito ou então fico com a vaga sensação de que algo aconteceu e eu não dei por isso.



Possivelmente, os meus sonhos também gostariam que eu escrevesse sobre eles e, nos breves momentos antes de acordar, tentam projectar em mim esse conceito. Mas é raro isso acontecer, acho até que a minha imaginação consciente é demasiado convencida e egoísta para lhes ceder protagonismo. Incluindo ao espectacular sonho que em tempos tive duas ou três vezes em que voava num carrinho de choque por cima da Avenida Infante Santo, depois de ter vindo a ganhar balanço desde a Estrela.



Sem desanimar, ontem voltei a pedir ajuda aos meus sonhos. Expus-lhe várias ideias, vários caminhos e fi-lo um pouco mais cedo, antes de me ir deitar. O mesmo processo, uma técnica diferente, que incluiu um post agendado a falar sobre isso. Assim sendo, quando lerem isto eu já terei acordado, o post já terá sido publicado e eu já saberei se desta vez os sonhos ajudaram a fazer história.



Seria uma realidade tornada um sonho que se tornou realidade. E depois ainda me queixo que não tenho tempo para pensar no que realmente interessa...


PS - Sonhei com patins em linha. Sim, continuem a gozar comigo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.