7.8.13

Famosos Anónimos - Reunimos às quartas



Hoje em dia, pelo que vejo, ou é fácil ser famoso ou então foi o conceito de fama que mudou. As revistas cor de rosa estão cheias de nomes e personalidades cinzentas e a televisão cola rótulos de “famosos” e “celebridades” em trabalhadores precários do mundo da fama, sempre em risco de desaparecerem para sempre no poço do anonimato.

E como esta fama é tantas vezes vendida como fácil e disponível em qualquer esquina, o número de pessoas que acredita que pode vir a ser famosa cresce assustadoramente, qual erva daninha. Não há dano em lutar por reconhecimento e acreditar que temos capacidade para nos distinguir, mas “fama” no conceito de fast-fame que seduz tanta gente é um atalho que tolda o raciocínio e, muitas vezes, o bom senso.

O facto de hoje, em qualquer franja da população, quase todos terem a capacidade de produzir conteúdos, gera uma nova vertente de auto-fama, pois graças ao nosso telemóvel, às nossas redes sociais, blogs e afins, somos actores, realizadores, argumentistas e directores de fotografia de uma vida que às vezes é como é, noutras é como no cinema, uma versão idealizada de nós próprios. Contudo, por cada pessoa que se distingue, consciente ou inconscientemente, seguindo um plano ou cavalgando a onda, é óbvio que uma gigantesca maioria não vai para além da rebentação, o que não tem nada de mal se nos divertirmos e gerirmos essa parte da nossa vida com a leveza e descontracção recomendáveis.

Os problemas começam quando acreditamos que toda e qualquer distinção/atenção que recebamos nos coloca um passo mais perto do patamar de “famosos”. Infelizmente, a coisa não é como no Euromilhões em que, segundo sei, a partir de um prémio de determinado valor é disponibilizada de imediato uma linha de apoio ao milionário, com alguns conselhos e boas práticas para quem entra numa nova etapa. Para quem se julga famoso, o apoio faz falta.

É essa a razão porque acredito no sucesso de uma associação ao estilo Famosos Anónimos, onde qualquer pessoa que se considere famosa e sinta que a sociedade não está a acompanhar o seu estatuto possa ser acompanhada e ter o apoio necessário, para aprender a lidar com as barreiras do anonimato à nossa existência quotidiana.
Espero também que este texto sirva, no mínimo, para me garantir o estatuto necessário para ir à reunião da próxima semana como membro de pleno direito.

Famosos Anónimos – Porque a fama é uma cegueira para quem só a quer ver.  

3 comentários:

  1. Costumava dizer-se "cria fama e deita-te a dormir", mas o viciado em fama não dorme, e tem que aparecer em todos os programas da manhã dos canais generalistas ou então em todas as revistas que tragam inaugurações, lançamentos, vernissages... tipo emplastro, faz-se fotografar e se o nome aparecer, estás lançado. Aprendam com os foguetes pah: sobem, brilham, e pum, já foste....

    ResponderEliminar
  2. A fama é mesmo isso: "sobem, brilham, e pum, já foste".

    ResponderEliminar
  3. A "piada" é ver tantos a continuarem a tentar subir em registo morteirada de feira.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.