21.8.13

Como se tornar socialmente relevante usando letras de músicas


Somos por vezes apanhados no meio de conversas sobre um determinado tema ao qual não temos nada a acrescentar. Poderá ser uma conversa sobre bebés, gravidez e afins, em que o handicap de não ter filhos se transforma numa barreira (ou uma bolha de sanidade mental, caso sejamos mais intransigentes) ou um grande debate sobre surf ou cotações bolsistas, em que não nos resta acenar ou reforçar o papel de leigos na matéria.


Se isto fosse um canal de TV Shop eu diria que “AGORA JÁ HÁ SOLUÇÃO, ESSE PROBLEMA ACABOU”. Como não é, não há necessidade de gritar ou fazer mais figura de parvo que o costume, basta explicar a coisa: traduzam mentalmente letras de músicas que possam ter a ver com o tema da conversa, adaptem-nas e usem-nas no vosso discurso.

Ainda hoje experimentei e resulta na perfeição. Estavam à minha volta a falar de sonhos tidos na noite anterior, tudo com grandes argumentos e situações e eu a ficar preocupado, porque me limitei a dormir que nem um calhau. Foi então que me lembrei de uma letra e avancei sem medo:

“Epá, ontem sonhei que estava preso numa cidade fantasma, tudo deserto, os semáforos intermitentes, tentei usar uma cabine telefónica, nada funcionava. Estava muito frio e eu sentia-me vazio, como se alguém me tivesse arrancado o coração e a alma. Tinha a ideia que tinha feito mal a alguém, ou então alguém me tinha feito mal a mim, sentia vontade de chorar, mas nem água, nem sangue, já estava oco por dentro…

Comecei então a olhar para o horizonte, percebi que não estava muito longe do mar, mas o céu estava cada vez mais carregado e aproximava-se uma tempestade.

E a borrasca estava cada vez mais próxima.
O problema é que eu estava completamente abananado, como se precisasse de alguém, mas não soubesse onde procurar.
Será que alguém estava a pensar em mim? Que lugar era aquele? Onde é que ia passar a noite?
De repente senti-me velho, como se tivesse dois mil anos e tivesse passado esse tempo todo à procura de algo sem nunca o encontrar.
E a tempestade cada vez mais perto.

Depois acordei.”


Silêncio, antes de uma espécie de fórum de interpretação de sonhos e a sensação de missão cumprida. Sempre a marcar pontos, mesmo com lyrics alheios adaptados em regime freudiano.

3 comentários:

  1. O carteira Vazia - eu sei que talvez este local não seja o mais próprio para divulgar uma página, mas não custa nada dar uma olhada rápida pelo meu blog. penso que toda a todos, a crise...

    http://ocarteiravazia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Il tuo sogno mi piace, anche se strano, come tutti i sogni anzi.
    Vi consiglio di leggere la mia lezione di scrittura creativa "COMO ESCREVER POESIA ERÓTICA". Chi sa se i sogni diventano meglio?
    Saluti,
    Architteto Dolce Filiberto di Savoya, PhD

    ResponderEliminar
  3. E poderá porventura o autor deste blog elucidar esta mente pequena sobre qual a música em questão? :)

    Grata,
    Ana

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.