25.8.13

A sintonização da minha nostalgia

Acredito que a nostalgia, quando bem sintonizada, é tipo a sobremesa da memória. Podermos voltar aos bons momentos, a períodos da nossa vida passada que, por diversas razões, nos deram prazer é algo que faz bem na dose certa. A questão desta dose e da importância da sua quantificação tem que ver com o facto de, ao abusarmos da nostalgia, facilmente podermos ficar presos nela.

Andar para a frente com a cabeça voltada para trás é possível, mas é também um forte convite ao acidente.

Tenho a ideia e a confiança que na minha vida os pratos estão equilibrados e consigo saborear a nostalgia na dose recomendada. E por isso, em fim de semana de festividades de aniversariante, deixei a sobremesa para o fim e garanto que é uma sobremesa de suar por mais.

Vou correr três horas, calmamente, hoje ao fim da tarde e passar por alguns locais de Lisboa que fazem parte da minha história. Não vai caber tudo, é certo, mas o que couber vai certamente saber bem.

A ver se misturo corrida e reportagem fotográfica do roteiro. Se correr mal, sempre tenho tempo para publicar imagens em directo do hospital.


É a minha prenda para mim próprio, que é para não me armar em esperto e pensar que isto é só regabofe.

1 comentário:

  1. Então parabéns:)

    (se calhar devia "ter" comentado tudo menos isto, mas eu ligo mais aos pormenores:))

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.