24.7.13

Querida Júlia versão "Correr 217kms for dummies"

O que o Carlos Sá fez, gostemos de correr ou não, é um feito histórico e, por larga margem, algo que 99% das pessoas não seria capaz de fazer. Já conhecia a prova de Badwater antes, o que ainda me fez dar mais valor ao que este atleta conseguiu.

Também compreendo que nem toda a gente tenha a noção do que é esta história das ultra maratonas, nem da dedicação e empenho que são necessários para cumprir objectivos destes. Feitos como este ajudam a trazer estes temas para a zona mediática e cumprem também uma função de divulgação, permitindo-nos saber mais sobre pessoas e modalidades que, de outra forma, continuariam a ser um nicho de saber para uns quantos malucos que gostam destas coisas.

"Carlos, conta lá aqui à Júlia, é verdade que para correr o pé esquerdo 
fica alternadamente à frente do direito, mas muito rápido?"

Obviamente que esta atenção mediática é natural e faz sentido que o Carlos Sá tenha assim oportunidade de se dar a conhecer e recolher a atenção que merece nos vários palcos em que vai tendo oportunidade.

O que me custa é ver programas como a Querida Júlia a apostarem neste tipo de conteúdo, porque é português, porque está em destaque e porque é sempre bom ter um herói do povo para animar a sala, para depois lhe darem um tratamento que parece do género "Feitos extraordinários for dummies".

Nos primeiros dois minutos já eu estava a espumar com a Júlia que, mais do que querida, aparentava estar no registo Infantilóide Júlia. Eu quero pensar que ela está a encarnar um personagem, que é a Zé Povinha da televisão, mas ou a audiência é básica e precisa de tudo gritado e contado como se de uma história infantil se tratasse ou então vivemos em realidades paralelas.

O Carlos Sá aparenta ser uma pessoa humilde, com a capacidade de dizer o que é e o que faz sem grandes rodriguinhos, nada afectado pelo seu sucesso e manteve-se igual a si mesmo durante toda a entrevista. Do outro lado, de perguntas básicas a macacadas, de cabriolas exageradas de entertainer pimba à ilustração suprabásica do que já está a ser falado de forma simples e directa.

Enfim, estupidificar aqui algo que devia ser elogiado de forma simples.

Para além da vergonha alheia, a questão que fica é: será que a encenação de Júlia é algo que lhe é pedido para que o público consiga perceber, o que é perigoso, porque fico então com a ideia que o público será uma entidade que é basicamente atrasada mental ou anda lá perto.

Não sei porquê mas, depois de a ouvir, tive vontade de me juntar ao Carlos e correr 217kms dali para fora ou correr até desfalecer só para me esquecer de quão básica pode ser a nossa realidade.

7 comentários:

  1. Infelizmente, ou felizmente, quero acreditar que tudo aquilo é uma encenação para vender pipocas e que o público-alvo, seja ele qual for, não é assim tão básico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas então torna-se um exercício de dupla estupidez, de um lado por quem estupidifica o seu target, do outro por quem consome estupidez em menu reforçado.

      E correr torna-se uma vez mais, a par de coçar certas partes do corpo com os cotovelos, um exercício que liberta a mente...

      Eliminar
  2. oh pulha, deram-me uma explicação há tempos para o modo "caps lock" da júlia pinheiro.

    parece que ali no estúdio não há sistema de som para o público que está a assistir. ela berra de propósito para que a possam ouvir.

    à parte isso, concordo contigo.

    ResponderEliminar
  3. perdão, mak, chamei-te pulha a pensar que era um post do garcia. :\ reparei agora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é a primeira vez que me chamam pulha, só garcia é que é novidade, mas a confusão é natural, pelo menos em termos de inspiração de perfil.

      Quanto ao caps lock, os gritos eu até podia eventualmente desculpar, a imbecilidade projectada em modo galopante é que não :)

      Eliminar
    2. foi mesmo porque no reader começam os dois por "o bom..." (isto dito assim soa estranho) e nem me apercebi qual estava a ler.

      eu tenho problemas com pessoas que falam alto. ainda para mais que estupidificam o povo. a júlia pinheiro é para abater na segunda vaga de assassinatos.

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.