3.7.13

Que se lixe a política, eu aviei um mini xico-esperto no Metro

-->

Sabendo que a política nacional está doente, possivelmente nem sequer tem cura, as minhas atenções focam-se no civismo. Até porque acredito que, cada um de nós, pode fazer mais pelo civismo do que pela política, se é que queremos fazer mais alguma coisa além de um queixume que, por muito que queiramos, não é fado.



Vai daí, aviei um puto, mas no sentido de esgrima cívico e não de porradão à moda antiga.



O puto, para aí de 15 anos, estava a dois passos dos torniquetes na estação de Entrecampos. Look cool, phones modernos, aspecto normal e sem indícios de potencial deliquente. No entanto, sem ninguém por perto, sem dar qualquer mostra de ir avançar para os mesmos, fiquei logo fisgado nele quando, ao passar pelo puto, ele se começa logo a andar atrás de mim.



Como não sou grande fã de filas de conga, em vez de me dirigir ao primeiro torniquete, fui para o segundo, deixando-lhe espaço para entrar para o primeiro, o que seria natural para quem tem bilhete ou passe. O pequeno mitra não o fez, mantendo-se atrás de mim.

Chego-me então ostensivamente para o lado, cedendo-lhe passagem com um gesto. Ele não estava à espera, nem sequer tem a carteira na mão. Tenta o velho truque “Pode passar, pode passar...”, mas fica em freeze quando lhe respondo “Não, passas tu primeiro ou não passas...”.



A hostilidade, com topping de sorriso irónico, está no ar. O xico-espertinho tenta fazer uma expressão indignada, mas dá um passo atrás e eu avanço, voltado para ele. “Não queres? Então esperas mais um bocadinho que te faz bem”. Sem lhe dar hipótese, passo pelo torniquete e ele agora está revoltado, como se eu lhe tivesse negado um direito fundamental. “Devia custar-te muito, palhaço...” diz a meia voz. Volto-me para trás, já do outro lado “Custava pois, palhacito, mas deixa estar que eu saio já e deixo-te passar comigo. Dás-me é os teus phones, que são bem melhores que os meus ou então passas de cabeça para baixo”.



Simulo que volto para trás para sair e o puto decide que, em vez de ir de Metro, se calhar vai a correr e desaparece túnel abaixo.



Saio dali satisfeito com a minha teatralidade, mas também com a certeza que  mais tarde ou amanhã ele vai lá estar à mesma, não para comprar bilhete, mas para fazer o que hoje não conseguiu à primeira.

9 comentários:

  1. Com isto dos putos, nunca se sabe, e pode também dar-se o caso de lá estar, mas à tua espera, com dois ou três amigos. Leva a soqueira de aço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, eu sei, mas por ele não ter pinta de mitra é que também fui mais interactivo, noutros casos teria apenas impedido a passagem.

      Ainda assim, sou um gajo prevenido e eu próprio já levo três amigos amanhã, mas creio que eles são apologistas da moca dos pregos e não de soqueiras ;)

      Eliminar
  2. Não são apenas os putos "mitra", também os pretos são uns habitués neste ritual de passar coladinho a nós. E já vi picas a verem da estação, sem sequer reagirem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nesse tipo de coisas não distingo raça, credo ou sexo.

      Já vi gajas, gajos, portugueses, estrangeiros, brancos, pretos, chungas, engravatados, velhos, novos a tentarem o esquema.
      O problema, quando dás por isso, é saber se vais deixar ou não...

      Eliminar
    2. eu confesso que o meu passe já pifou algumas vezes e eu, educadamente, peço à pessoa que está mais perto para me deixar passar... neste caso não conta, pois não? ah e tb não levo phones!

      Eliminar
    3. Sua pequena mitra :)

      Mas, se deixas nas mãos dos outros a escolha, nesse caso tens desconto :p

      Eliminar
  3. Muito bom, é com gente assim que isto anda para a frente.

    Agora vais a Belém e fazes o mesmo com o Cavaco, mas caga nos fones dele, deve ter sido a Maria que escolheu.

    ResponderEliminar
  4. Quando me apercebo de algum engraçadinho desses atrás de mim, passo o cartão, abrem as portas, espero uns segundos e depois passo rapidamente... quem vem atrás geralmente fica entalado :)
    Scheimit

    ResponderEliminar
  5. Eh pah, fiz uma coisa do género um destes dias! Sou velha, mas não sou parva e não gosto que me façam de otária. No fim chamou-me vaca gorda, mas eu já estava atrasada, e olha....

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.