26.7.13

Como evitei o vício da fotografia

Não foi difícil, basta-me ser desastrado e impaciente, no que a essa arte diz respeito. Ou capto as coisas no instante em que isso me ocorre ou não tenho paciência para andar à procura do ângulo ideal e do momento certo.

Por ter à minha volta muito entendido (e muito pseudo entendido) na matéria, ocasionalmente experimento-me mas o destino põe-me logo no caminho certo. Assim se conta a história da Lomo dourada que comprei por impulso há alguns anos durante umas férias lá fora.

Durou 15 fotos, não pensadas, durante uma viagem, ao longo de um dia.
Depois deixei-a cair ao chão e desconjuntou-se toda sem salvação para os seus plásticos.
Foram as melhores fotos de Lomo que alguma vez tirei.
Até porque não tirei mais nenhumas desde então.



1 comentário:

  1. Somos dois. Quando quero fotografar algum momento, faço-o e pronto. Não tenho paciência para estar 2h à procura do melhor ângulo.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.