29.5.13

Sabedoria, suor e basket

Para além de correr, tenho também o defeito de jogar basket. E digo que é um defeito, porque depois de jogar vários anos a nível oficial e, posteriormente, só por diversão, ainda oiço regularmente a minha mãezinha a dizer-me “Filho, mas o que é que o basket te deu para além de mazelas?”. 

Mesmo que o vosso interesse pela modalidade esteja ao nível do meu interesse por poesia boliviana, o excerto de filme que coloco a seguir conjuga dois dos maiores terrores que se podem encontrar em qualquer campo de basket (e não, partir uma unha não é um deles). 

 O primeiro não é um mal apenas desta actividade e basicamente tem que ver com escolher a pessoa errada para uma parceria. O segundo terror (no fim do vídeo), é auto-explicativo e só me aconteceu parcialmente uma vez. Ainda hoje sinto comichões e isso pode explicar o porquê de praguejar mais com a cara voltada para o lado esquerdo. 









Nota: O Phillip Seymour Hoffman, neste filme, prova que se pode ser bom actor e genialmente imbecil sem grande esforço.

8 comentários:

  1. haha, grandes defeitos esses da corrida e basket - e agora um cliché: homens com muitos músculos têm pouco cérebro. Mas no teu caso, fico confusa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não confundir um gajo que faz desporto, com um gajo musculado, até porque me esforço bastante para manter uma certa vulgaridade na aparência, quer na física, quer na mental.

      Eliminar
    2. Ah bom, nesse caso já não estou confusa ;P

      (acho que já tinha dito isto por aqui: redimes-te por completo de seres fanático do desporto se puseres um foto de ti com os calções de lycra das corridas - hahahah , sorry, brincadeirinha!)

      Eliminar
  2. Acho que até tiveste sorte. Um amigo meu diz que uma vez num ressalto, alguém lhe enfiou um dedo do rabo. Ele só esperou que tivesse sido um jogador da outra equipa. Se não fosse, podia ser um bocado estranho.

    Ah, e claro que ele não ganhou esse ressalto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre ouvi que o conceito "dedo no rabo" era propriedade quase exclusiva do mundo do andebol.

      No entanto, devo dizer que dos poucos segmentos dos meus jogos oficiais que consegui ter gravados, num deles (em que estou a ter uma prestação acima da média, com vários triplos convertidos) o facto que se destaca é um colega meu que se envolve numa picardia num ressalto e, segundo o que parece ter acontecido no plano a seguir, tenta esmigalhar os tomates do poste adversário com um apertão nos ditos cujos...

      É o mundo sujo do desporto.

      Eliminar
  3. É assim um espécie de exfoliação com produtos 100% naturaris. Eu na pré-história, quando tinha 40 kg e 1,60m, ainda me safava no Basquete. Depois as proporções inverteram~se...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As proporções são sempre parte do desafio. Aqui há uns tempos encontrei um amigo que costumava jogar comigo. Eu tinha a noção que ele era ligeiramente mais baixo que eu. Com o peso que ganhou, o gajo agora parecia maior.

      Comentário simpático que me ocorreu "Epá, estás mais alto".

      Eliminar
  4. white chocolate! =D
    esta cena do basket é fenomenal.

    estou contigo meu. desde cotoveladas nas costelas, pulsos partidos, tendinites várias e entorses, pergunto-me o que o basket me deu de bom.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.