31.5.13

E um dia dás por ti numa discoteca da Amadora

-->

Pode parecer uma ideia saída dos filmes “A Ressaca” mas não, foi algo semi consciente e típico da adolescência. A verdade é que, num período da minha vida em que era bombardeado por diversas referências musicais, posso quase ter caído na onda Eurodance.



E isso é quase tão grave como poder ter caído na droga, até porque eu conheço gente que se meteu a ouvir Eurodance à séria na altura e nunca mais de lá saíram até hoje. Além disso, para a droga já havia desintoxicações mas, para o Eurodance, o único curativo da altura era a surdez.



Tudo começa quando dás por ti a ouvir:






Rapidamente, sem que te apercebas (que ele é um dentista sueco), já ouves isto e isto (e só estes senhores podiam ter causado danos graves e podiam perfeitamente ter direito a post próprio). E quando um amigo te pergunta se já ouviste isto...






... e tu dizes “Claro que sim, tenho ali já gravado numa cassete”, o caminho está feito e, assim sendo, quando ele te dá a notícia que estes gajos:







...vão tocar na Discoteca Lido na Amadora (que entretanto já ardeu, quer a nível de negócio, quer como edifício), a única questão não é “Que merda de ideia é essa?”, mas sim “Onde é que compramos os bilhetes?”.



E no meio do concerto, quando estás a curtir o som, cheio de confiança no teu estilo e na tua forma de dançar, até porque boa parte do pessoal está a olhar, com um misto (achas tu) de admiração e surpresa, só aí é que te apercebes:



Vocês são os únicos branquelas na frente do concerto e, possivelmente um dos cinco dentro da discoteca. E é nessa altura que começas a reflectir, se é mesmo no Eurodance que queres continuar investir na tua vida.



9 comentários:

  1. Puuump, pump the jaaam, pump it uuup!


    Oh não, acho que fui apanhada na onda!

    ResponderEliminar
  2. oh sim sim!! eu adorova o dr alban e o pump up the jam (acho que é uma coisa geracional. E o vanilla ice e o outro, ai como era o nome, um também de calças à aladino, com cabelo afro, acho...

    E também adorava fazer os meus mooves usando umas calças largas estampadas, que agora me arrependo de ter deitado fora porque agora estão na moda (aquelas calças tipo pijama das féxion)!

    ResponderEliminar
  3. lembrei-me quem era o das calças à aladino e da dança que virou moda dos videos do vh1 !! era o mc hammer e o seu hammer time, caraças

    ResponderEliminar
  4. ah ah ah ah ah ah o Lido ainda existe? Levaram-me lá uma vez, ao engano, mas rapidamente me revoltei tornando aos meus sítios, leia-se Plateau, Whispers, Kapital, Van Gogo, News e afins.

    ResponderEliminar
  5. Ò pá, caramba, já me tinha esquecido desta fase...

    ResponderEliminar
  6. Grande viagem. Mas há qualquer coisa de muito respeitável em pensar na Amadora como a capital portuguesa da Eurodance. Ou, mais recentemente, Aveiro ser a capital portuguesa do Tecktonik. Mesmo na falta de gosto, não deixa de ser incrivelmente cosmopolita. O país precisa disso.

    ResponderEliminar
  7. Sorte a tua que não ouviste "Tarzan Boy"...

    ResponderEliminar
  8. Eu não tinha idade para me deixarem ir a discotecas, na Amadora ou noutro sítio, mas o meu tijolo até saltava com o "Pump the Jam" (que a malta, mal percebendo inglês, dizia "Pompatchén - Pompérou!")

    ResponderEliminar
  9. Podia ter-te dado para pior...no entanto ainda não há casas de tratamento para desintoxicação de Eurdance! =/

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.