6.12.12

I Love Arquitectura e o que estiver a dar

Infelizmente, morreu um grande arquitecto e morreu também uma grande figura ligada ao jazz.
Surpreendentemente, hoje descobri via redes sociais que conheço uma catrefada de malta com grande devoção pela arquitectura e sentido entusiasmo pelo jazz.

Mal posso esperar pelo desaparecimento de um grande físico nuclear ou de um xadrezista de renome, para ser surpreendido novamente...




12 comentários:

  1. As pessoas adoram fingir que conhecem o que desconhecem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais do que fingir, será porventura a necessidade de fazer parte de algo...

      Eliminar
    2. Que constatação tão brilhante!! E tu?Adoras fingir desconhecer o que conheces?? Será?
      Eheheheh

      Eliminar
  2. Se fosse por um grande cineasta, se calhar não tinhas de esperar muito. Não sei, sou eu a dizer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Manoel de Oliveira não pode morrer, agora tem um filme sobre o Niemeyer para fazer...

      Eliminar
    2. Sim, mas há sempre a possibilidade de fazer com o próprio.

      Eliminar
  3. Invadindo este espaço pela primeira vez.
    Não fora a morte dos senhores, paz à sua bem vivida alma, esta constatação não daria um post de humor irónico refinadíssimo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Invade à vontade, desde que não sejas alérgica à ironia, é seguro...

      Eliminar
  4. Também estranhei subitamente toda a gente ser mega fã do trabalho do Niemeyer, mas pronto estava-me a falhar esse ponto, não têm de ser.

    ResponderEliminar
  5. Fomos os dois surpreendidos. Já eu sempre adorei jazz, engraçado que algumas pessoas nem devia saber da existência das duas figuras que padeceram até há bem pouco tempo atrás.

    ResponderEliminar
  6. Tal como aconteceu anteriormente, certamente que também voltará a acontecer!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.