26.11.12

Quando a crise chega ao presépio

-->

Baltazar, Belchior e Gaspar acabaram de ouvir as notícias na rádio e depois de Baltazar o desligar, fez-se silêncio durante alguns minutos.
“O burro e a vaca...” Belchior olhava pela janela para um pasto lá fora “Quem diria...eu por acaso sempre pensei que se alguém fosse despedido daquela maneira seria o José.”
Gaspar e Belchior olharam um para o outro e suspiraram, quando Belchior abusava do incenso seguiam-se sempre belas teorias.
“Então vejam lá se não é assim – o puto a bem dizer tecnicamente não é dele e à Maria dava muito mais jeito um burro para as deslocações e a vaca para a alimentação. Além disso, sendo carpinteiro o Zé certamente que se safaria noutro sítio. Assim, cortaram subsídio de transporte e de alimentação à família e ficam todos a arder...”

“Sabes como são os patrões...” Baltazar tentava cortar ali a conversa, enquanto dava uma pancada no GPS Estrela do Norte que tinham comprado numa loja do chinês e que insistia em falhar de dois em dois quilómetros.

Belchior não se ficou pelos ajustes “Sei, sei...está um tipo lá no Vaticano, carrega num botão e lá se vão dois postos de trabalho à vida. E nós, todos os anos a fazer esta viagem, a carregar as mesmas coisas, com cada vez menos condições. Tínhamos camelos e caravanas, agora temos um Clio de 92, que nem sequer a gasóleo é. Vendemos o ouro ao António Sala para termos dinheiro para o combustível em ida e volta e já só temos camomila e cidreira para dar ao baby Jesus, porque a ervanária onde comprávamos mirra foi à falência e agora abriu no mesmo sítio um spot que vende cogumelos mágicos...”
Gaspar voltou-se para trás, tentando disfarçar o nervosismo “Então e o incenso, tínhamos um daqueles de Paz&Amizade e outro de Fortuna, eram para aí 12 pauzinhos de cada...”
“Jovem...ao preço que o tabaco de enrolar anda, para não falar no outro, o que achas que lhe aconteceu?” Belchio fez com as mãos o sinal de que algo se tinha desvanecido em fumo.

Anunciava-se uma discussão entre Gaspar e Belchior, quando Baltazar interveio mostrando o telemóvel – “Pessoal, calma lá, recebi agora uma sms do Sindicato dos Animais e Figuras Representadas no Presépio. Parece que vai haver uma manif contra o trabalho precário e a redução de investimento no presépio. O que acham?”

Novamente, alguns minutos de silêncio. “Bem, eu acho que em Belém não vai haver nada de novo...” Belchior foi o primeiro a avançar “Além disso, o miúdo nunca liga nada às prendas, o José tenta sempre impingir-nos uns souvenirs de madeira e não há quem aguente a Maria a falar de arcanjos, de que se calhar o miúdo devia já ser matriculado num infantário para crianças dotadas, etc...Que me dizem, vamos?”. Gaspar estava a utilizar a calculadora do telemóvel “Bem, tendo  em conta as despesas que não nos pagam em combustível, se formos à manif ainda nos sobra dinheiro para ir comer uma bifana no regresso, a que distância estamos no GPS Baltazar?”

Este último deu mais um murro no GPS, antes de travar e parar o carro na berma – “Bem, na verdade não vos quis assustar, mas com este GPS que comprámos, há mais de hora e meia que andamos aqui às voltas deste lugarejo medonho e não há forma de encontrar o acesso à estrada secundária que nos põe a caminho de Belém. É que com este calhambeque e o nosso orçamento nem pensem que me ponho na autoestrada. Eu ao lugar da manif sei lá ir ter sem ter que ligar esta trampa, por isso vamos lá”.

Arrancaram decididos e só meia hora depois é que Gaspar se lembrou de algo “Esperem lá, e o que é que dizemos à malta lá em Belém?”. Belchio sorriu e colocou-lhe uma mão no ombro “Não te preocupes, já lhes enviei uma SMS, daquelas muito giras a dizer que este ano o Scolari vai a caminho do presépio sempre a dizer “O burro sou eu”, que a Voz vai escolher uma tipa da casa para fazer de vaca e que de tanto apertar o cinto os Reis Magros não tiveram forças para ir comprar presentes”.

Olharam uns para os outros, riram às gargalhadas e aceleraram no seu Clio de 92, rumo à manif da bicharada.

5 comentários:

  1. Muito bom!!! A crise chega a todo o lado :D

    p.s.: afinal o Clio era de 92 ou de 93?? ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o que dá comprar carros em 2ª mão em stands duvidosos... ;)

      Eliminar
  2. Em saindo do stand desvaloriza logo ;)

    ResponderEliminar
  3. A minha tia Modesta dir-te-ía, com as réstias do seu sotaque de Talavera de La Reyna: "Já não se respeita nada nem ninguém. Isto é o fim do mundo!"
    Já eu gosto muito de faltas de respeito deste calibre.:)

    ResponderEliminar
  4. Fartei-me de rir! E o GPS comprado na loja dos chineses... Muito bom!
    Bárbara

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.