8.10.12

Mais um bocadinho e vem aí nova dose de Homeland




Não sei se ainda está em voga a máxima do tio Marx que alude ao facto da “religião ser o ópio do povo” mas, em termos de paralelismos entre vida e estupefacientes, nos dias que correm não é mentira dizer que “as séries são a marijuana do povo”.

São a nova face do entretenimento, novelas estilizadas, muitas delas bem pensadas, outras tantas nem por isso mas com nomes e regabofe de encher o olho. As pessoas anseiam por novos capítulos, são capazes de fazer maratonas à bruta a rever temporadas ou a sacar novas de embarda da internet. Religiosamente, semana após semana, cá estamos nós para saber o que acontece aos nossos heróis e vilões favoritos. Tirando no meu caso, que me atraso regularmente e depois tenho de pedalar de costas para recuperar o fio à meada.

Pessoalmente, já desisti de tentar ver o máximo possível e vou filtrando de forma a nunca ter mais de três/quatro no radar regular. É admitir a nossa condição de mortais, perante um filão que sempre existiu mas que é agora o El Dorado de produtores e actores.

O Homeland, que estreia hoje a segunda série, conseguiu vencer o meu lado enjoado perante cenários americanóides, através de um argumento muito bem escrito, pelo menos na primeira temporada e um elenco que lhe assenta que nem uma luva. Até a Claire Daines, com a qual tenho atritos pessoais me surpreendeu pela sua esquizofrenia deveras convincente.

A segunda série é o que faz o make or break de muitas séries e a coisa ou começa a descambar ou cativa e arranca para o próximo patamar. Deixa ver o que vai da loja.


Quanto a novelas? Nada de novo, amores impossíveis, duas famílias que se odeiam e cinquenta variantes deste esquema. Novidades? Só se forem os remakes...

11 comentários:

  1. Já estou também na contagem decrescente. Adorei a 1ª série e estou ansiosa por ver paraque lado isto vai cair pois às vezes as outras temporadas desiludem um pouco. Saudades do "24 horas"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para o 24 nunca tive pachorra, sem lhe tirar o mérito e achar o conceito inteligente. Mas eu também já vi duas séries de extra-terrestres que foram canceladas ao fim da segunda temporada, por isso não sou referência para ninguém...

      Eliminar
  2. remakes...estou a gostar do remake da gabriela.ardente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Giro era terem feito essa novela com as mesmas personagens de há 30 anos atrás. Do género Gabriela seduz no baile para reformados.

      Eliminar
  3. Tenho de colar nessa série. Já me falaram muito bem.
    Eu sigo regularmente algumas, mas adoro séries e tento ver o máximo possível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já desisti dessa teoria do máximo possível. Grupos de três/quatro por temporada e executar os que não sejam capazes de acompanhar o ritmo.

      Eliminar
  4. Vou ter de render-me e ver a série. Nunca vi um único episódio, mas só ouço coisas boas! Portanto, vou mesmo ter de render-me.

    (http://alpha-lady.blogspot.pt/)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É experimentar, não é garantia que gostes mas pelo menos tiras as dúvidas.

      Eliminar
  5. Nunca vi... deveria penitenciar-me por isso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há coisas melhores para te levarem à penitência e não me refiro a raminhos de oliveira...

      Eliminar
  6. Tens atritos pessoais com a Claire Daines? Eu também. Acho que lhe faltam na dieta umas boas postas barrosãs. Mas tenho mais problemas com o cenourinha. Tive de fazer um esforço para o aturar no primeiro episódio e depois o argumento convenceu-me.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.