30.9.12

Perdi-me outra vez numa livraria e saí de lá com companhia



Se cada vez que me perco numa livraria a PSP lançasse daqueles alertas que antigamente se viam na TV, em alguém com ar ligeiramente aluado (muitas vezes devido a perturbações mentais) tinha fugido de sua casa, já tinha um trombil mais reconhecível do que aquele senhor da CGTP, o Arménio.

A verdade é que o faço de propósito e, de vez em quando num período de menor fluxo numa livraria, e a FNAC não conta porque não é uma livraria, é um supermercado de artigos ligados à cultura e não só, não é raro encontrar-me a folhear livros como ar de criança em loja de gomas.

Por vezes, sei bem o que quero, noutros casos é mesmo deixar a coisa ao acaso e fazer o sistema do funil. O sistema do funil passa por comer com os olhos tudo o que posso nas prateleiras e que me desperte alguma curiosidade, para depois passar para as mãos uma selecção de três ou quatro. A norma aí passa a ser de eliminação mais ou menos criteriosa com regras inventadas na hora, como por exemplo “Se já tens mais livros deste autor, não podes levar este”, “Se alguém te disse que já leu isto e gosto, tenta lembrar-te de quem foi e, em vez de o comprares, pede-o emprestado”, “Se não te dá jeito gastar tanto, pede-o para o teu aniversário, para o Natal ou até mesmo para o dia da criança, se é que ainda consegues engrupir alguém com essa história” ou “Não leias a tradução, tenta arranjar o original desde que seja numa língua em que possuas compreensão mínima”.

Por norma, quando chegamos a esta fase, já só tenho um ou dois livros na mão e, como forma de estimular o regresso e promover o equilíbrio entre o meu património financeiro e o património cultural, obrigo-me a comprar apenas um. Normalmente, o critério de desempate é “Qual é dos dois aquele que contavas menos ter na mão por esta altura?”. E é esse que vai.

Sexta feira ao fim da tarde o duelo final foi entre estes dois. 



7 comentários:

  1. Eu quando era mais miúda, faltava às aulas para ir para as livrarias ler :D

    ResponderEliminar
  2. Com alguma pena, tenho-me perdido pouco em livrarias ultimamente. A última vez foi na feira do livro...mas como ainda restam por ler algumas das aquisições, suponho que a próxima incursão pode ficar adiada po mais um bocadinho. Até porque há sempre quem pergunte "o que queres para o Natal?"

    ResponderEliminar
  3. ah, Rubem Fonseca! Grande, grande...

    ResponderEliminar
  4. Qual é que ganhou?
    Sou tendenciosa... adoro Rubem Fonseca. Por coincidencia este ainda não li.
    Joana

    ResponderEliminar
  5. Eu vou buscar os livros à biblioteca. Em primeiro lugar precisamente por causa do meu património financeiro, em segundo porque tenho prazo para os entregar e como não são meus leio-os mesmo! O que não quer dizer que volta e meia quando vou a uma livraria não me perca também e acabe por trazer sempre alguma coisinha para casa. É um vicio bom:)

    ResponderEliminar
  6. Sim senhor, mas a questão que se coloca é: já tiveste na mão O Meu Pipi?

    ResponderEliminar
  7. Ganhou o Sisters Brothers porque me apetecia ler em inglês.


    @Poc - Já tive isso e muito mais...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.