13.9.12

O país do asfalto não tem rumo

Ocorreu-me hoje que nos últimos 30 anos o país se encheu de estradas, de vias, de acessos, de rotundas e de ligações rodoviárias de perder a conta. E ironicamente, 30 anos mais tarde, com tanto asfalto as pessoas começam a aperceber-se que assim não vamos a lado nenhum.

Construiram-se caminhos à bruta para todo o lado, menos para o futuro.

10 comentários:

  1. A mim parece-me que as vias têm qualquer coisa de Dédalo, e que alguém já se encarregou de soltar o Minotauro. Falta aparecer Teseu mas eu não sei se ele não será um mito.

    ResponderEliminar
  2. Chapeau!
    Curto e grosso (acho que a maioria das pessoas usa a expressão sem pensar a que se refere).

    ResponderEliminar
  3. Tantos caminhos e tão poucas saídas...

    ResponderEliminar
  4. Ah pois... agora custa muito virem tirar-nos ao bolso aquilo que andámos a gastar em bens desnecessários, jantar fora, televisões, telemóveis, etc etc... as estradas são um exemplo de despesismo do Estado que equivale ao despesismo dos cidadãos privados... se o Estado tivesse canalizado esse dinheiro das auto-estradas antes para a Educação e para fazer render o que Portugal tem que os outros não têm , de certeza não estávamos nesta situação. assim como uma família que se endividou para comprar a merda de uma televisão boa e de um frigorifico bom e de um carro bom, não estava em maus lençóis se se tivesse contentado com bens básicos. Se as pessoas se interessassem mais por se cultivarem, procurarem conhecimento, aprender ciência, em vez de só quererem comprar comprar comprar, talvez tivéssemos conseguido crescer como país e estar ao nível dos países nórdicos, por exemplo.

    ResponderEliminar
  5. Não construíram uma autoestrada para o desenvolvimento, foi o que foi.

    ResponderEliminar
  6. É por isso que em 30 anos não fomos a lado nenhum. E por este andar tb não vamos nos próximos 30.

    ResponderEliminar
  7. trabalho na construção civil e doi fazer algumas das obras publicas que se fazem e outras tantas que não se fazem, tem de se encolher o cinto na construção, foi desmezurado e agora paga-se a factura (obras de merda/desnecessárias) e trabalhadores para o desemprego, só na minha foram 200...

    ResponderEliminar
  8. Respostas
    1. http://www.youtube.com/watch?v=AWtCittJyr0

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.