18.9.12

Bonito serviço



Na passada sexta, como referi aqui, estive numa espécie de dia de regabofe patrocinado pela firma. O tempo ajudou, o dia passou-se agradavelmente tal como parte da noite e o cenário junto à praia é sempre bonito de se ver, especialmente visto a partir do bar aberto.

O local, meio trendy-fashion-sofisticado, é daqueles que em termos de alimentação me faz torcer o nariz. A comida ali não é vocação mas faz-se cobrar como tal. Não sendo eu a pagar, resta-me agradecer e não fazer cara feia. Entre o pessoal que trabalhava nesse spot, posso dizer que 95% deles eram cinco estrelas, gente amável, disponível e que estava ali a condizer com o espírito do evento. Houve até no fim quem nos agradecesse por, apesar de ter estado ali a trabalhar, termos ajudado a um serão pleno de boa disposição.

Eis a excepção, não porque haja em mim uma vontade insuperável de malhar, mas porque as histórias devem ser contadas como se passaram. Durante o jantar o prato pré-definido, uma espécie de bife com vegetais, revelou-se algo nervoso. Muitos notaram isso só num pedaço ou outro, houve gente que nem por isso mas, na minha mesa, a um rapaz calhou-lhe o rei de todos os nervos. Depois de dez minutos a mascar o elástico, resolveu pedir para lhe trazerem outro, de preferência mais calmo.

Teve azar, calhou-lhe a ovelha negra do serviço, uma mulher que já não era miúda que ao trazer um bife novo acrescentou em tom azedo “As refeições estão contadas, não se admire se daqui a pouco lhe vier pedir para vomitar o bife para dar a outra pessoa”. O inibidor de seriedade na forma de um sorriso amarelo não fez bem o truque.

Na mesa, houve logo quem quisesse linchar a senhora, porque esta resposta é capaz de ser das menos profissionais que já ouvi e já estive em muito restaurante e estabelecimento com serviço manhoso. Salvou-se porque não éramos nós a pagar (o que não serve de desculpa) e porque não queríamos estragar o espírito da noite. Mas, no fim da refeição, antes da desgraça do karaoke e da pista de dança, fizemos questão de brindar com todos os empregados menos a artista do bife, porque tal como os pratos a boa disposição naquele caso também estava racionada.

4 comentários:

  1. A última frase é de mestre.

    ResponderEliminar
  2. Tenho para mim que ficaram lixados por não serem servidos só por mulheres miúdas e embirraram com a senhora, que até é simpática, mas tem o filho no hospital, o marido bate-lhe, a mãe morreu a semana passada e o pai é daqueles "fugiu de sua casa...".

    ResponderEliminar
  3. Que incrível falta de educação e profissionalismo!

    ResponderEliminar
  4. O_o sendo quem fosse a pagar, acho que não conseguia "ficar-me"...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.