31.7.12

O mundo do meu cão


Tenho um cão que nem sempre foi meu. No entanto, a partir do momento em que passou a ser, foi como sempre o tivesse sido. Não é de raça, mas é um cadela com fibra. Não é obediente, é teimosa, tem manias e já não tem idade para deixar de ser assim,  nem é isso que se quer, caso contrário não seria o canídeo que nos conquista à primeira vista.
Não é grande, mas também não é daqueles micro-cães irritantes, não é um cão atlético, mas sempre foi elegante, não tem um bafo que se suporte por muito tempo, mas dá sempre para aguentar e levar mais um beijinho.

A verdade é que o tempo passa e esta cadelita, por mais jovem que pareça, está quase a chegar aos 19 anos. A qualidade de vida ainda está lá, mas também se notam os efeitos da idade. Mais idas ao veterinário, um ou outro susto, redução da capacidade física e por ainda em diante. Toma os mesmos comprimidos que boa parte dos avós na casa dos 80/90 e recentemente foi preciso aprender a dar-lhe soro em casa. No entanto, mantém-se resistente, mantém-se com apetite e dá muito mais do que se poderia pedir a uma veterana com a sua idade.

O resto, será o tempo a ditar, mas a verdade é que prefiro dizê-lo agora, a vir um dia fazer um elogio em tom de saudade. Não porque não fosse merecido ou sentido ou porque a ela lhe faça qualquer diferença, mas porque a mim é assim que as coisas devem ser. No que puder ser evitarei sempre a expressão “mas já foi tarde”.

Por isso, fico feliz por poder fazer parte do mundo do meu cão o tempo que for possível, sem me preocupar com o que vem depois. Da parte dela sei que muito provavelmente o sentimento é mútuo e, enquanto estivermos bem assim, será assim que as coisas se vão passar.


2 comentários:

  1. E Queenie Natalina Mil Homens Salazar Mercury May Taylor Deacon II é o nome dela :)

    ResponderEliminar
  2. Adorei este post :) As pessoas que gostam e têm animais são sempre boas pessoas :)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.