8.6.12

Quando ter email é uma vergonha


Há já alguns anos que o email faz parte das nossas vidas. É lá que nos chegam as notícias e novidades dos nossos amigos, os convites para tudo e um par de botas, respostas a entrevistas de trabalho, vídeos e powerpoints com gatinhos fofos e até sugestões para aumentarmos o tamanho do nosso pénis ou acumularmos stocks de Viagra como se uma guerra nuclear se aproximasse.

As pessoas têm normalmente pelo menos dois emails (o do trabalho e o pessoal), isto para não falar de uns quantos paralelos que vão aparecendo pelos melhores e pelos piores motivos. Quer esta lenga-lenga toda dizer que o email faz parte da nossa forma de comunicar, é uma ferramenta prática e essencial. Não quer isto dizer que substitui o contacto directo, mas simplifica muita coisa.

Seria de acreditar que, tendo por base o comportamento das pessoas, o email já seria transversal à quase totalidade do mundo empresarial (ok, serviços mais rústicos não incluídos).

O problema é quando as empresas e serviços não percebem isso e ficam no chamado limbo do “Eu até parece que tenho um negócio moderno, mas é só fachada”. É impressionante o número de, por exemplo, restaurantes, serviços médicos, empresas que fornecem serviços que carecem de marcação que têm nos seus sites ou nos seus contactos um endereço de email que na pratica é tipo daqueles bonecos insuflados que estão à porta de alguns estabelecimento. Parecem pessoas, mas só fazem figuras e não dão qualquer resposta.

Se não têm capacidade, interesse ou disponibilidade para ter email, é preferível não dizerem que o têm. De algum tempo para cá adoptei a política de que, se tens nos teus contactos um email eu vou utilizá-lo para experimentar a tua capacidade de resposta. E fico abismado com o número elevado de pedidos que caem no vazio ou têm respostas com delay de semanas.

Ao contrário de um blog, em que uma não tem de ser moderno e interessante, basta parecer que é, nesta história do contacto via email não é bem assim, porque nas circunstância em que eu tenha a disponibilidade, podem crer que quem não responde a emails profissionais está a fazer um favor à concorrência em pé de igualdade, que seja mais eficiente a comunicar comigo.

1 comentário:

  1. Tenho um que não abro há meses. Perdi a chave e nem sei como a recuperar. E acho que há por lá correspondência, mas suponho que só spam.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.