12.6.12

E quando é o riso que manda em nós...



Embora por vezes as circunstâncias não sejam as recomendáveis, a ocasião seja inoportuna e não se pudesse escolher pior momento, haverá coisa melhor do que sentir o riso escapar-nos por entre os lábios, desprezando todo e qualquer esforço da nossa parte para que isso não aconteça?

Aqueles segundos de contracções, esforço mental e muscular para tentar controlar o riso, só para o ver surgir entre lágrimas e mostrar quem manda ali. E depois da primeira vez, quando julgamos que já passou, raras são as vezes em que não volta de novo, só para nos lembrar que quando se trata de rir, nem sempre somos nós a escolher o quando.

E acrescento, com inabalável alegria que uma das ocasiões mais sonantes e gravada em VHS em que isso me aconteceu foi no dia em que fui ao “Ponto de Encontro” (sim, esse mesmo que estão a pensar, com o Henrique Mendes) e alguém teve a brilhante ideia de me sentar na primeira fila ao pé de um amigo meu, porque fazia falta audiência jovem. Exacto, fazia falta isso e bom senso, como uma hora e meia mais tarde se veio a comprovar.

Riso incontrolável, esse filão da riqueza humana.

12 comentários:

  1. Já vi esse video algures xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é coisa para vir a valer uns quantos euros daqui a uns anos...diria mesmo 10 a 15 euros...

      Eliminar
  2. Imagino a cara do late Henrique :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele estava de costas para nós e nós estávamos de costas para o bom senso...

      Eliminar
  3. Risos aos molhos! Mesmo nas horas mais inoportunas, claro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma boa política, embora por vezes seja de ir às lágrimas...

      Eliminar
  4. Respostas
    1. E olha que ficar bem no Ponto de Encontro é difícil...

      Eliminar
  5. E às vezes não te sai uma pinguinha, como no anúncio?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só em versão superior, a nível inferior era uma tena já estar assim...

      Eliminar
  6. Nada mau, tenho uma colega que se desfez a rir num funeral, quando se preparava para dar os sentimentos ao filho do defunto que por acaso era nem mais nem menos que o patrão dela. Aposto que o Henrique foi bem mais compreensivo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreensivo já ele estava a ser com os casos desse dia que pareciam anedotas escolhidas a dedo. Já da minha parte aquilo estava para além de qualquer compreensão, daí o ataque...

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.