19.6.12

Discos pe(r)didos

Não vos quero convencer de nada. Mas, da minha parte não há dúvidas que, quase dez anos depois, este álbum duplo continua um espectáculo e vou aproveitar para dizê-lo muitas vezes, enquanto não passo a ser um mero “espetador”.




Quem conhece e aprecia sabe do que estou a falar, quem não conhece está no seu perfeito direito de torcer o nariz. Felizmente, no que toca a música há fartura suficiente para agradar a toda a gente.

Se esta ou esta sempre foram das mais rodadas, não há nada como voltar a ouvir tudo de vez em quando, para me lembrar do bom que é ouvir isto, aquilo e até mesmo aqueloutro.


E isto aqui não é um pseudo-poço de sapiência onde se vem sorver cultura e emborcar sugestões iluminadas. Rio-me, com coisas verdes nos dentes, de quem por breves instantes possa ter essa ilusão.

4 comentários:

  1. Ontem comecei a escrever um comentário três vezes e três vezes foi à vida. A ver se é desta que te consigo dizer que com esta partilha de sapiência, que é, ascendeste às alturas e vou ter de começar a queimar-te incenso. Não é ainda caso para te dizer: "I don't wanna meet your mamma...", mas quase... Acho que estes meninos são génios, nem que seja porque me puseram a ouvir isto compulsivamente numa altura onde pouco mais que black metal passava por aqui. Uma pedrada no charco a todos os níveis. Eu ainda me babo para cima daqueles vídeos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pela persistência e também pela ascensão às alturas, apesar de não aspirar a isso (já para aspirar a casa é um martírio).

      Eu tenho uma costela no hiphop desde os meus 13 anos, mas a verdade é que felizmente tenho várias costelas para vários géneros.

      No entanto, Outkast, Public Enemy, Disposable Heroes of Hiphoprisy, A Tribe Called Quest, Wu Tang Clan, entre outros, são clássicos que ainda muitas vezes vêm cá parar à playlist.

      Thanks for understanding ;)

      Eliminar
  2. Ora essa!
    As minhas poucas incursões no hip-hop foram quase sempre mais gráficas e geográficas (cresci por Miratejo, a lendária localidade que ouviu nascer o "Não sabe nadar, yo", talvez por isso reaja sempre com alguma violência ao género;)). Também simpatizo com Public Enemy e numa onda um pouco diferente, achava piada a Cypress Hill.

    ResponderEliminar
  3. Bem baum!
    Que é feito destes moços? Habituaram mal uma pessoa e depois... dá-se-lhes o sumiço.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.