7.5.12

A praga dos entendidos em café


Spoiler: O tipo que vos escreve é daqueles que, a bem da sua vida social, apenas bebe cafés pingados, garotos e meias de leite e já suportou todo o tipo de piadas brejeiras na matéria. Na realidade, não percebe um cu de café enquanto apreciador, mas sabe o suficiente para distinguir entendidos de verbos de encher.


Com o advento das máquinas de café de cápsulas em Portugal criou-se uma nova raça de gente, um clã de conhecedores e entendidos da mais fina água na arte de provar esse néctar que durante tantos anos vingou apenas como bica e cujas variações eram coisas mundanas como cheia, curta/italiana e as derivações que tinham que ver com leite.

Agora, que se cuidem os peritos em vinhos, há concorrência no cardápio. Hoje em dia, uma visita a casa de alguém que tenha uma máquina dessas é pior do que ver um episódio do saudoso “Polvo”. Atenção, há mais italiano a ser falado nesses momentos do que em toda a série dos Sopranos.

Eu percebo o gosto, percebo até que a proximidade com uma máquina dê para saber que existem vários tipos de café e detalhes sobre os mesmos. Mas, mais do que perceber muita gente papagueia o que vem nas cápsulas e nos rótulos, com palavras como “aveludado”, “mais intenso” ou “cremoso mas, ainda assim, entusiasmante”.

Amigos, eu respeito a vossa máquina, respeito as vossas cápsulas, mas o doutoramento honoris causa em Ciências do Café e Prosa Aveludada da Bica, isso não me impinjam. Já me basta ter um café pós-moderno da Delta perto de mim em que a senhora, cada vez que lá vou com alguém, parece que está a descrever um quadro do Modigliani e não a vender café.

Querem perceber de café, dediquem-se a moer grão e não a minha paciência.

17 comentários:

  1. E quando vais a casa de uma dessas pessoas e ela te pergunta que café é que queres e tu dizes (um café normal??!!) e elas ficam a olhar para ti com ar chocado pela tua ignorância.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É por isso que eu pergunto sempre antes de ir a casa das pessoas. Tens máquina de café? Bimby? Gostas de falar sobre isso?

      A qualidade da resposta influencia a qualidade da desculpa que posso ou não utilizar.

      Eliminar
  2. Eu tenho uma máquina que dá para algumas 54646 variações de café, dependendo da cor da cápsula. A minha mãe lá diz que um é assim e outro é assado, a mim desde que o café me saiba a café tá bom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não tenho máquina de café, mas tenho uma mãe que bebe café.

      As coincidências da vida...

      Eliminar
  3. Tenho uma da Nespresso, mas não sou expert em café. Mas deixa que vou estudar para ser :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já estivemos mais longe de haver mestrados na matéria.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. obrigado eu, pelo link achocolatado.

      Eliminar
  5. Tenho uma Lavazza Modo Mio que ganhei com as coisas antigas do blog. Tira um café razoável e para mim chega.
    Mas levo frequentemente com dissertações sobre qual a melhor marca e yada,yada,yada. Desde que não me saiba mal, marcha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada a opôr em relação a capitalizar nos ganhos do blog e ter uma máquina de café. Dissertações é que nem vê-las, italiano é sexy mas não é para cápsulas.

      Eliminar
  6. Distingo-os pela cor das cápsulas, aquela coisa de lhes fixar os nomes, não é comigo e irrita-me qualquer coisa que me perguntem se quero um patatipatata ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, estou sempre à espera que a senhora do café moderno me diga se prefiro um piccolo bambino em vez de um garoto...

      Eliminar
  7. Não gosto dessas máquinas e desses cafés...
    Gosto dos "cimbálinos"...
    Gosto muito de um bom café de saco.
    Apesar de gostar de café, não quero provar o Kopi Luwac. Sou bem básica, nada sofisticada.

    Joana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deus nos livre do Kopi Luwac. E básico não tem de ser mau, antes isso que pretensioso e sensaborão.

      Eliminar
    2. Em boa verdade te digo...
      Café de saco como o do Café Progresso junto à praça Carlos Alberto no Porto... não há.
      Mítico caro Mac. Pelo menos no meu grupo de amigos da faculdade. Por vezes suspiramos por isso, agora que ja não andamos por lá :)
      Joana

      Eliminar
  8. "verbos de encher" é muito bom, andava a precisar de uma definição para essas pessoas e só tinha uma muito comprida. Grazie :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre às ordens, abre aspas para piada de café burgessa "Verbo de encher é algo que infelizmente não se aplica apenas a um grupo ristretto de pessoas".

      ;)

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.