5.5.12

Para que serve um blog?


Quando criei o meu primeiro blog (e este é o segundo), estava a concluir o curso universitário. Não tendo ainda bem a certeza do que aconteceria a seguir, não tinha qualquer dúvida que a minha forma de escoar coisas através do que escrevo não se iria limitar ao plano profissional.

Na altura, um colega meu, grande mestre na área do Racionalismo, perguntou-me “Mas estás a criar um blog para quê? Dá para ganhar dinheiro ou tens alguma cena em vista para lucrar com aquilo?

Não lhe consegui explicar, pelo menos de forma racional, o que pretendia. E hoje ele, que pelo que sei, fez aqueles percursos certinhos que as pessoas certinhas costumam fazer, onde tudo tem uma explicação perfeitamente racional, possivelmente continuaria a não perceber o que eu continuaria a ter dificuldade em explicar.

O meu tempo continua sempre a fugir de mim e noutros locais pagam-me pelas ideias que tenho e por aquilo que escrevo. Tenho mil coisas para fazer e outras duas mil que já devia ter feito, para não falar de vida social, regabofe e tudo o mais a que tenho direito. Mas, ainda que falhe de tempos a tempos, tenho neste espaço o mesmo propósito que aquele pessoal dos programas espaciais tinha quando mandava sondas para o espaço com vídeos, música, filmes, kinder surpresa e o bigode do Manuel Luís Goucha, na eventualidade de alguma civilização extra-terrestre dar de caras com aquilo e decidir que Marte afinal não é o Algarve com que sempre sonharam. O objectivo é continuar sempre a mandar para o vazio algo que ilustre o que somos perante o desconhecido. Não me preocupo minimamente com as regras de escrita apelativa em internet, nem medidas para gerar tráfego, etc. Se o fizesse, estaria a transformar gozo em trabalho.

Fazendo cálculos de cabeça, conheço menos de 10% da média de pessoas que aqui passam diariamente e isso não tem nada de mal, antes pelo contrário, apesar de não andar a fugir à polícia ou ter necessidade de um alter ego que não sou eu na realidade. Quem me conhece já tem que gramar com estas alucinações ao vivo, quanto mais ter que levar com a versão digital. Quem não me conhece e é freguês, lá terá as suas razões para cá vir e não havendo porteiro à entrada, é sempre bem vindo.

Antigamente, as pessoas expressavam-se em paredes de cavernas e hoje em dia, podemos não ter bem a certeza sobre o que eram as mensagens, por muito básicas que fossem, mas damos valor ao que elas representam. Talvez daqui a uns tempos, as pessoas olhem para os blogs e não percebam muito bem estas cavernas virtuais, mas compreendam que, por mais básicos que sejam, lá teriam o seu valor.

Afinal de contas, todos os blogs são pessoais, mesmo aqueles que não possuem uma palavra ou um texto sobre a vida do seu autor. E este serve para isso mesmo, seja lá o que isso for.

18 comentários:

  1. Serve para vir aqui ver o que se passa, para dar umas gargalhadas ou só sorrir!

    Foi o meu 1º na aventura de seguir um blogue e isso já é alguma coisa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu bem que ouvia o blog a queixar-se que andava a ser seguido e eu não lhe ligava...

      Eliminar
  2. A mim serve-me para ler coisas bem escritas, com humor, e confirmar que afinal na blogosfera existem pessoas inteligentes.
    Sigo alguns, poucos, mas este foi o primeiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto do critério poucos e bons, embora não o utilize em termos de volume de texto ;)

      Eliminar
  3. Acho que escrevo porque tenho prazer. Porque me rio dalgumas coisas que digo. Serei parvo? Talvez.
    Mas gosto de pensar que alguém sai do meu tasco com um sorriso ou que pensou no tema por uns segundos. OK, sou parvo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em qualquer tipo de tascos não faltam pessoas que saem de lá a sorrir. Normalmente é por causa do álcool, nestes casos será pelo que lá se escreve.

      Resumindo, o que escrevemos é um pouco como o álcool, só que não dá ressaca. Só náuseas...

      Eliminar
  4. Muito bom, eu não teria explicado melhor.
    E adoro a analogia feita com as cavernas.

    Este é também o meu 2º blog, básicamente sinto-me bem a escrevê-lo, logo aí é meio caminho andado, não faço dele uma obrigação... e gosto sempre de ler outros tantos pela diversidade que apresentam!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho uma forte ligação às cavernas ;)

      Quanto ao resto, se te dá gozo, é o que interessa.

      Eliminar
  5. Costumas dizer coisas interessantes. Se calhar é por isso que se volta...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não digas a ninguém, mas eu acho que as pessoas voltam porque andam perdidas ;)

      Eliminar
  6. Mak, meu caro, é sssim mesmo, afinal um blog, sendo só um blog, é sempre mais qualquer coisa. E o gozo de por cá andar só por isso, pelo gozo, nota-se a léguas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, estimado Pipoco, são precisos uns para conhecerem os outros ;)

      Eliminar
  7. Pesoalmente, é por isso mesmo que cá venho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E pessoalmente, acho que fazes muito bem, que não faço desconto para grupos :)

      Eliminar
  8. Eu passo por cá na esperança de que um dia ofereças sandes de queijo amanteigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ser queijo de azeitão? Os amanteigados aborrecem-me...

      Eliminar
  9. Entre outras coisas também gostei da analogia das cavernas. E gosto mais ainda quando vais à minha opinar sobre os ténues baixos-relevos, que pretendem ser auroques, com que a enfeito. Já tu, caças bovinos extintos como um senhor. E eu gosto de vir à tua caverna para os ver e aprender como se faz. :P

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.