6.5.12

O quociente maternal



Uma mãe é para cem filhos, mas cem filhos não são para uma mãe.

Citação habitual com que a mãe de Mak o presenteia quando deseja elucidar o seu rebento sobre a grandiosidade maternal que vai para além do racionalismo básico.

Dado ao debate filosófico, Mak resolve retorquir com um jarrinho de sabedoria à pressão, cultivada pelo próprio.

"Mas, uma mãe sem filhos não é uma mãe, ao passo que um filho, mesmo sem mãe, pode ser um grandessíssimo filho da mãe."

O eterno ponta de lança maternal, mata o jogo e o debate com um remate que lhe é típico.

"Mas enquanto tu fores filho da tua mãe, com essa conversa não enganas ninguém. Come lá mais um bocado de bolo de cenoura."

Não há filosofia que resista e não há filho que, mesmo que seja 30cm maior que a sua mãe, não lhe continue sempre a dar pela cintura.

2 comentários:

  1. Não hã uma frase batida que diz que mãe há só uma? E é verdade, costumam ser "grandes"

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.