14.5.12

Estúpidos prazeres



Desde que me lembro que gosto da sensação de chegar ao pé do vidrão, com um bom lote de garrafas e, uma a uma, atirar tudo calmamente lá para dentro com alma e apostar se se vão partir ou não.

É idiota, não tem explicação, mas ainda hoje de manhã como resultado de um fim de semana de regabofe lá cheguei eu com as garrafas e ar de reguila satisfeito. Num resultado impossível de verificar em absoluto, ficou 9-6 para o vasilhame que se partiu. A senhora idosa que esperava não reagiu à piscadela de olho vitoriosa que lhe enviei, segurando a garrafa de azeite de modo ameaçador.

Não sei se Freud explica, mas teria todo o gosto em que ele passasse lá por casa para bebermos uns copos e depois irmos juntos ao vidrão com as garrafas vazias.




PS - Coloquei esta imagem de vidrão, porque este post precisava de um toque urbano-artístico. O meu é daqueles clássicos verdinhos, como manda a lei.

14 comentários:

  1. Com minis é coisa para se tornar um exercício chato... :|

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Errado, passa a ser um simpático workout melhor que em muitos ginásios, em que o único dinheiro que gastaste foi em cerveja.

      Eliminar
  2. :D
    Também eu gosto de ir atirar um bom lote de garrafas para o vidrão. Projecto-as com o máximo de energia cinética que consigo, na esperança que se "partam todas". Quanto mais vazio o vidrão, melhor é o efeito sonoro.
    Fico toda contente.
    Talvez o mecanismo seja semelhante à satisfação que me dava armar escarcéu com os testos das panelas para fazer um concerto em casa. O segundo hábito entretanto perdi-o.
    Joana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que então sobreviva pelo menos o efeito vidrão :)

      Eliminar
  3. Faço o mesmo! Deixo-as cair sempre da mesma maneira e conto quantas se partem e quantas ficam inteiras...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu vário no método, mas procuro obter sempre a vitória dos partidos.

      Eliminar
  4. Esse vidrão é uma cosa linda. Qualquer dia, com este incremento da arte a inundar as cidades, e pintar paredes, vidrões e demais objectos inanimados, ainda desatam a pintar polícias

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso a coisa fez parte de uma iniciativa e, daquilo que vi, boa parte teve um resultado pelo menos interessante.

      Aliás, confesso que sou a favor da street art, mas obviamente que pelo meio da arte há muito lixo urbano...

      Eliminar
    2. Tás a falar dos polícias, Mak? Vê lá em que é que te metes...

      Eliminar
  5. Se eu quando mandar cada garrafa lá para dentro não sentir estilhaços sinto que falhei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São os duelos dos tempos modernos, para entusiastas da reciclagem ;)

      Eliminar
  6. Desde que não faças essa cena às 7 da manhã de domingo... tinha um vizinho que praticava esse desporto e não era nada agradável acordar com aquela barulheira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca. Só em horas dignas de quem dorme em horários normais. Já me basta o pessoal da câmara que por vezes é criativo nos horários de passagem para recolher os outros resíduos.

      Eliminar
  7. Oh também sofro desse mal, aliás tive um fim de semana cheio (de alcoól) e hoje tive um momento de alegria.
    E não quero saber a explicação, de certeza que é alguma tara...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.