11.5.12

CVs vs. Portefólios


Para conseguir uma entrevista, por vias oficiais, a maior parte das pessoas precisa de entregar um currículo. Eu pertenço à outra parte, a que é avaliada profissionalmente através de um portefólio quando chega a hora de mudar/procurar emprego. Já muitas vezes debati, com membros de ambas as facções, sobre o que considero ser uma realidade – um portefólio é uma forma muito mais directa de avaliar (de forma simplista) as capacidades profissionais de alguém do que um CV. Quanto tal é viável, obviamente.

O CV tem um modelo, tem títulos e tem os detalhes de um percurso. Pode até ser uma melhor compilação de feitos, tudo ali detalhado, linha após linha. No entanto, não é uma demonstração factual de trabalho, é referencial.

No portefólio, o que fizeste está ali, é fácil de avaliar em termos de apreciar de imediato (ou não) a qualidade do que está ali. Tu fizeste aquilo e aquilo é o resultado final de um trabalho, não algo simbólico. Não te podes esconder atrás de cursos sonantes ou empresas de renome. Aquilo é um exemplo do melhor que consegues fazer. E isso terá de chegar. Ou não.

São ambos manipuláveis? São. As coisas podem ser pintadas em qualquer um deles, para nos fazer parecer melhores? Claro que sim. Mas, num portefólio, as primeiras referência são logo resultados finais e não pessoas que podes contactar para falarem sobre ti.

Creio que é mais difícil perceber, para quem sempre fez percurso via CV, a muito maior exposição de quem usa portefólio. Porque até a própria escolha de um portefólio pode dizer muito sobre ti, observando os trabalhos escolhidos, a forma como os defendes, as disparidades que possam existir trabalho a trabalho. Vais aprendendo a vender o que fazes.

Quando acabei o curso usava CV, mas há muito tempo que “passei” para portefólio, porque as minhas funções assim o determinam. Coisa de artista? Nada disso, montar um portefólio é uma tarefa muito racional, lógica e pensada ao milímetro, consoante o entrevistador, a empresa ou até mesmo as necessidades que sabemos existirem no sítio onde vamos.

Como é óbvio,  tudo isto não dispensa os skills sociais/humanos para te safares numa entrevista. Um grande portefólio pode valer de pouco a uma besta e um portefólio mediano pode valorizar-se perante quem o saiba vender. Mas nesse capítulo, falamos de pessoas e não de meios e aí sim, o factor artista já conta e muito.

4 comentários:

  1. Eu sou daquelas dos cv's. Já analisei centenas. Na verdade um cv diz muita coisa, sobre a pessoa e um olho treinado vê a léguas quem não interessa. Mas não expõe como um portefólio, ou uma entrevista. Nestas eu costumava pôr as pessoas perante casos práticos, não sendo um portefólio, é um factor eliminatório bastante potente. E depois há sempre aquela técnica de hostilizar o entrevistado e devo dizer que já tive umas surpresas agradáveis. Enganei-me uma vez, erro crasso que demorou 6 meses a ser resolvido e me levou ao desespero.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que um portefólio é algo que não é possível para todas as funções, mas muitas vezes penso que a demonstração factual de capacidades/experiência acumulada devia ser posta mais em jogo para quem é avaliado via CV.

      Isto para além de testes psicotécnicos e afins, porque já estive num estaminé que os fazia em 75% das admissões num programa de estágios que tinha e por ali entraram verdadeiros seres do além.

      Eliminar
  2. Eu concordo que um portefólio "vale" mais do que um CV. E acho até que o CV é, por vezes, muito limitativo. Quantas vezes se descarta um candidato porque o CV não corresponde ao que se pretendia, estando ali uma pessoa de valor incalculável para determinada função (ainda que o CV não o consiga mostrar?) Acho que os portfólios minimizam um pouco este tipo de riscos. Mas também entendo a dificuldade que é certas profissões construirem um portfólio...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo e sei bem que é inviável portefolizar todo e qualquer tipo de admissão.

      No entanto, trabalhando eu num local em que,aproximadamente, a escala é 50-50 entre entradas via cv ou portefólio, no primeiro caso creio que o cv podia adquirir características mistas com toques de portefólio.

      Eliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.