28.4.12

A vacina do medo


Trabalhou a vida inteira em algo que ninguém mais acreditava. Sem desanimar, sem deixar cair os braços, deixou sim tudo para trás, por não se deter por nada e seguir sempre em frente. Um dia conseguiu alcançar o que sempre desejara, uma vacina capaz de eliminar todos os medos.

Faltava experimentá-la em alguém e não poderia considerar outro que não fosse ele próprio. Mas segundos antes de o fazer sentiu-se dominar por uma sensação desconhecida que se transformou em medo, muito medo. Foi aí que se apercebeu no que se tinha tornado por nunca ter tido medo de nada – uma sombra.

Parou.
Queimou tudo.
Saiu do laboratório a correr.

Percebera no último instante que precisava de um pouco de medo para se arriscar a viver.

2 comentários:

  1. Profundo e sombrio.

    viagensnomeucaderno.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. o medo, na maior parte das vezes, é protector... bom blog, este!

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.