18.4.12

Os x e y da criatividade

A criatividade não é um fim, é um meio.
Tendo isto em conta, diz-me a experiência que, embora isso aconteça, as pessoas não deviam fazer x ou y para mostrarem que são criativas, mas sim serem criativas ao fazer x ou y. É, de facto, uma tentação pensar que basta mostrar criatividade e que ela, por si só, resolve todos os problemas e situações.

Mas, a meu ver, não é assim. E note-se que talento, criatividade e sucesso nem sempre andam de mãos dadas e este facto já nem é de agora. Veja-se o Van Gogh que, salvo erro, vendeu um quadro em vida (a um parente) e morreu na miséria. Apesar de estarmos a falar de uma pessoa conhecida por dar ouvidos aos outros, o timing torna-se então outro factor importante. Mas o timing é um factor que não controlamos e por isso fica para outras linhas.

A verdade é que todos somos criativos, mesmo que de maneira inconsciente, até nas tarefas mais comuns do nosso quotidiano. No entanto isso não dá fama e raramente dá dinheiro que se veja, embora possa dar um jantar com apenas três coisas no frigorífico. E a nível profissional, ser criativo não é andar com uma gravata na cabeça, usar ténis de cores berrantes ou enviar mails em forma de poema.

Isso são apenas coisas que se toleram nas pessoas que, em áreas em que isso é relevante, usam a criatividade como ferramenta para fazer a diferença ou mostrar novas formas de fazer melhor aquilo que já é feito há muito tempo.

O resto é circo. Palavra de palhaço.

9 comentários:

  1. Assino por baixo.

    ( essa dos sapatos às cores usei-a durante anos )

    ResponderEliminar
  2. Eu tenho vários, mas tenho dificuldade em combiná-los com as gravatas que ponho na cabeça.

    ResponderEliminar
  3. Tanta coisa para dizer que a criatividade tem de ser eficaz? Afinal posso desfazer-me das calças ás flores e dos chanatos?

    ResponderEliminar
  4. "Oh meu caro, isso até eu fazia!"
    "Pois, mas não fizeste!"

    ResponderEliminar
  5. A minha criatividade, felizmente, manifesta-se normalmente quando estou a dormir

    ResponderEliminar
  6. @ stiletto - quando serve um negócio, sim também tem de ser eficaz.
    Mas, se for parte de uma manifestação artística, tem quanto muito que ser diferenciadora. É o que distingue um tipo que tenha todos os tiques de pintor e não tenha um traço que se salve e um tipo que pareça um choninhas e um traço que impressione.

    Depois vem o timing e outra questão bonita - como vencer as barreiras criadas pelo facto de vivermos na era da imagem e do "parece que és". E aí Calças às flores dão sempre jeito.


    @ maria - Faz de novo, faz diferente e faz melhor ;)

    @ vic - Sonambulismo criativo ou como prova só baba na almofada?

    ResponderEliminar
  7. Isso agora fez-me lembrar a da mulher de César, não basta sê-lo.
    Subscrevo inteiramente o post. Fartinha de me cruzar com gente que procura a criatividade per si sem se preocupar com resultados. Em marketing é mato :-)

    ResponderEliminar
  8. Sonambulismo criativo, Mak. O pior é a manhã e as consequências

    ResponderEliminar
  9. Eu ainda acredito que, um dia, a minha criatividade me vá tirar da miséria. E que me proporcione uma vida... vá... não penso em carros de fim-de-semana e casas de luxo, mas, pelo menos, uma lareira e um frigorífico americano.

    Eu sou daquelas que ainda sonha e que pensa que o mundo "artístico" um dia vai sair do último lugar da cadeia alimentar e as pessoas vai precisar mesmo disso para viver. Neste momento, eu sou uma delas. Eu preciso da minha criatividade para viver e quando me falta, sinto mesmo fucked up!

    Enfim, vou viver nisto mais um bocadinho, até poder...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.