19.4.12

O Eça, os Maias e o fim do mundo

Farto de ouvir falar na história do calendário dos Maias, resolvi ir folhear o velho calhamaço do Eça que tinha lá em casa. Posso ser pós-moderno mas ainda tenho valores lá em casa e para defendê-los nada melhor que surpreender um possível assaltante com um peso pesado da literatura portuguesa.

Folheei com calma e nada de calendário, voucher para rebater na Portugália ou posters com as 10 melhores modelos eslovacas para ter como irmã. Ao que parece, na altura bastava uma boa trama com laivos de incesto, um relato colorido da sociedade portuguesa e um extremo entusiasmo pelo detalhe para fazer obra. O fim do mundo e teorias apocalípticas têm de facto muito mais a ver com o Portugal de hoje e o Eça, embora com plena consciência crítica na sua época, lá arranjou outras formas de compor o ramalhete.

Alertaram-me depois que os Maias do fim do mundo eram outros e eu só sosseguei quando me disseram que não tinha nada a ver com a outra senhora que deita cartas e ocasionalmente tira a roupa para promover a venda de garfos para espetar nos olhos.

E estando nós a falar do saudoso povo Maia, espero que nisso de serem muito à frente em várias coisas também estivesse incluída a ironia. Nada me daria mais gozo, do que ver TecuqdefaFazuma e Sombreroqoatl a laminarem o seu calendário e, ao verem que a pedra não dava para mais, terem o seguinte diálogo:

“TecuqdefaFazuma, pelas minhas contas, se isto ficar assim o calendário só estica até 2012...Vou buscar mais pedra?”

“És parvo Sombreroqoatl? Pões-te com essas merdas de serpente emplumada e não chegamos ao Chichen Itza Sports Café a tempo de ver o jogo da bola entre os Pumas de Guadalajara e os Cancun Boys”

“Pois, tens razão, os gajos lá mais para a frente que se desenmerdem, que eu desde que masquei umas folhas de coca com a vidente mamalhuda e vi que os espanhóis vão rebentar com isto tudo, já nem me devia ralar...”

“Sim, grava aí uma cena qualquer profética e põe por baixo do relatório das sementeiras. O patrão nem vai ver...e vais ver que um dia ainda vamos pôr o mundo à rasca com iso. Ouvi dizer que há uns tipos em Nazca que já trataram de fazer uma cena parecida”.

2 comentários:

  1. Em grande, como sempre.
    Chichen Itza Sports Café. Ahahahahah!

    ResponderEliminar
  2. Ainda dizem que os Maias não eram videntes...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.