22.4.12

Jardinagem hardcore


Não cresci no campo, nem numa qualquer propriedade em que a jardinagem fizesse parte das actividades regulares. Aliás, no que ao tema diz respeito. nunca questionei legumes, fruta ou flores que me chegassem às mãos sobre o seu passado e eles tiveram para comigo a mesma cortesia, o que facilitou a nossa relação.

Ontem isso mudou já que, ainda com uma mão imobilizada, fui desafiado a mostrar dotes de jardineiro e se há coisa que encanta multidões sedentas de entretenimento é um indivíduo munido de ferramentas aguçadas e apenas uma mão disponível. Podem dizer “Mas porque não recusaste, dado o teu estatuto de inválido temporário?” e eu respondo-vos que a vossa pergunta já tem incluída a resposta pois se há coisa que um tipo activo não gosta é que o rotulem de inválido.

Uma hora e meia depois tinha os pés bem assentes na terra, em quilos de ervas e numa panóplia de insectos empreendedores, alguns dos quais fazendo parte do meu sorriso. Há quem diga que o desempenho foi patético, que nem sequer estamos na época da poda de roseiras e tudo mais. No entanto, algo em mim mudou e não me refiro aos uso de produtos adubados.

O meu respeito por velhotes que passam horas a cuidar de jardins, quintais e canteiros aumentou grandiosamente. Aquilo cansa, não tem posições cómodas ao fim de um certo tempo e as ferramentas são perigosas armadilhas. Além disso, as plantas não dão tréguas e a fauna de jardim é quase tão teimosa quanto o tipo que a está a tentar realojar.

A jardinagem não é para meninos e um gang de espinhos tentou tatuar-me essa mensagem nas costas.

4 comentários:

  1. Devia ser uma verdadeira selva, Mak. Um perigo!

    ResponderEliminar
  2. As rosas a mim baralham-me sempre; fico sempre a pensar nelas como lição de vida.
    Nunca consigo concluir o que devo pensar: se até uma rosa que é tão bonita tem espinhos, ou se um espinho que é uma coisa má tem rosas...

    ResponderEliminar
  3. Experimenta usar um banquinho de criança. Evita muitas dores nos costados..

    ResponderEliminar
  4. Um banquinho ou uma coleira cervical, estou indeciso entre levar ambos numa próxima ocasião...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.