9.4.12

Eu podia fazer parte de uma tetralogia

Tenho uma considerável estima pela obra de Ítalo Calvino (não confundir com Itálico Calvino como uma vez me foi apresentado). Vagueando pela sua obra, a minha predilecção vai para a trilogia Os nossos antepassados, dentro da qual cada título traduz a singularidade dos personagens principais.

Temos O visconde cortado ao meio. O barão trepador e O cavaleiro inexistente.

Se eu fosse um presunçoso de um personagem, a querer colar-me a estes senhores e a tornar isto uma tetralogia, sentir-me-ia no entanto dividido pelo título a dar-me. Não me decido entre:

O palhaço filósofo / O ferreiro irónico / Camolas, o intermediário


Contudo, o que mais me assusta ao pensar em tetralogias é que me vem logo à cabeça certa e determinada quadrologia.

2 comentários:

  1. O visconde cortado ao meio, é mesmo muito bom, apenas li esse do autor, mas foi o suficiente para ficar fã...

    ResponderEliminar
  2. Eu só leio merda. Qualquer dia ainda me apanham a ler Nicholas Sparks.

    Camolas, o intermediário. rula.

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.