26.3.12

Os missionários da corrida

Correr está na moda. E como eu sou daquele tipo de crápulas que gosta de ser contra as modas, digo sempre que comecei a correr antes de correr estar na moda, por isso sou diferente. Diferente não no sentido anormal, acrescente-se.

Como ao facto de estar na moda se junta o facto de ser uma actividade saudável, tirando se dissermos que costumamos ir correr para o parque de estacionamento do Colombo, as pessoas que correm/aderiram à corrida de forma muito regular tendem a ter um entusiasmo peculiar. Tal como ex-fumadores, ex-gordos ou ex-qualquer coisa que faça mal, os missionários da corrida tentam convencer carradas de gente a correr, a vir fazer uma corridinha ou a ir comprar uns ténis, que depois começa-se a correr logo na hora.

Eu defendo uma posição contrária, até porque muita gente encara a corrida como as senhoras que comiam cogumelos na floresta encaravam a Inquisição – mais vale ser queimado na fogueira a fazer o que eles dizem.

Corro porque gosto e compreendo perfeitamente quem não corre porque não gosta. Corro meias maratonas e compreendo perfeitamente quem ache que correr 5 ou 10kms já é um limite. Aliás, o facto de ter corrido uma maratona só fez com que alguns amigos que corriam comigo regularmente achem agora que já sou um maluquinho das corridas e que não estão ao meu nível para uns kms em ritmo tranquilo. O que é falso, até porque a ser maluquinho, tenho outras áreas que me interessam mais na especialidade.

É certo que corro muitas vezes sozinho, mas porque também gosto de usar o tempo em que corro para pensar em tudo aquilo em que não tenho tempo quando estou parado. Mas aprecio a companhia de quem corra comigo e o faça por gosto, até porque de obrigações já está a vida cheia. Por isso, não tento convencer ninguém para ir correr até porque acho que as pessoas não têm de ser convencidas, têm de fazer o que lhes apetece e se lhes apetecer correr, bom para elas. Caso contrário, amigos como dantes e se calhar arranjamos outra coisa para nos divertirmos, como o macramé por exemplo.

Tudo isto não impede que as pessoas venham ter comigo e me peçam conselhos sobre corrida, alguns dos quais nunca me sinto confortável para dar, já que é sempre difícil adivinharmos as motivações dos outros. Faço o melhor que posso, mas nunca como missionário, já que essa (piada manhosa involuntária) é uma posição que dispenso.

7 comentários:

  1. Já eu detesto correr, acho desconfortável e demasiado cansativo. Mas se me sugerirem uma caminhada rápida, aguento mais de uma hora na boa... e gosto! Agora correr... eu sou uma lady... não gosto de me sentir ali toda a abanar. ahahah

    ResponderEliminar
  2. Além do mais, faz bem à saúde (geralmente), e compreendo que, por exemplo, o que aconteceu ontem, seja um pretexto até para convívio.
    Infelizmente, meu caro Mak, tenho 3 vértebras entre as quais o espaço desapareceu e roçam umas nas outras impedindo-me de correr. Nem no ginásio. O menor impacto, é dores tenebrosas nas costas garantidas durante uns tempos, e fisioterapia certa.

    ResponderEliminar
  3. Epá, isso é que não, mais te vale arranjar um versão de xadrez como desporto extreme que o resto das confusões não valem a pena...

    ResponderEliminar
  4. Correr, é sozinha e com os Foo Fighters a tocar para mim.

    (Oh S*, soutien de desporto e as mamas já não abanam... muito.)

    ResponderEliminar
  5. Já não corro sem eles (os soutiens de desporto, não os Foo Fighters).

    ResponderEliminar
  6. Com essa imagem... Será que ainda vou a tempo de alterar o meu voto no BILf?!

    ResponderEliminar
  7. Isto é tudo uma questão de imaginário :)

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.