1.3.12

O glamour do caixa de óculos


Terá sido algures entre os 13/14 anos que se notou que o meu franzir de olhos não era apenas um gesto sedutor. Vai-se ao doutor da vista, ah o rapaz cresceu depressa e toma lá um certificado de miopia para mostrares aos teus amigos.

Não tendo que usar os óculos permanentemente, facto que em conjunto com alguns problemas de atitude, fez com que nunca fosse muito fustigado pelo resto da comunidade adolescente. No entanto, toda a gente conhece e conviveu com histórias de “quatro olhos”, “vidrinhos”, “caixa d’óculos” e os “fundos de garrafa” que envolviam dar largas ao gozo com quem tinha as vistas curtas.

Mas, apesar de míope, sempre tive uma certa tendência para tentar olhar mais longe e achei que, depois de crescidos, com lentes de contacto, óculos mais modernos e intervenções cirúrgicas que permitem corrigir problemas oftalmológicos menos, a tendência seria para esbater o fenómeno distintivo de usar ou não óculos.

Não previa era que, tal Clark Kent, a moda criasse uma nova variante, em que óculos “de ver” se tornassem um acessório hiper mega trendy. Já passámos do regresso dos óculos de hastes de massa, do kit hipster de lentes do tamanho do telescópio Hubble a la anos 80.

Estamos numa fase em que há pessoas que não usam óculos e não precisam de usar óculos usam efectivamente óculos, ainda que sem lentes graduadas, só porque fica bem no cenário.

São tendências dizem-me as pessoas que já estão a usar palas nos olhos porque os piratas estão de novo na berra. Já um grupo de amigos que tenho e que passou a andar de joelhos porque segundo um novo padrão, ser anão é a next big thing, aconselha-me calma e a não ver as coisas de uma perspectiva tão altiva.

Calando desde já mais um grupo de conhecidos que usa coleiras cervicais como camisola de gola alta, o meu lamento não são os óculos em si ou os artistas desta moda, é o facto de agora haverem por aí caixas d´óculos e vidrinhos amargurados a pensarem que, depois de anos e anos a serem enxovalhados na escola, afinal foram precursores na moda e não lhes foi reconhecido o devido crédito. É lixado, mas enxerguem-se...

E já agora, que se acalmem os que tiveram de usar botas ortopédicas. A vossa moda há de chegar e para chatos já vos bastaram os pés.

7 comentários:

  1. ena... alguém mais reparou que usar óculos estava na moda... esqueceste-te foi de mencionar o "ferrinhos", "caminho de ferro", "sorriso metalico", que tambem andou (anda ainda?!) na moda.

    ResponderEliminar
  2. Mas aí há uma diferença notória, por muito na moda que estejam, eu nunca vi ninguém com uns arames na boca que não estivessem efectivamente a corrigir a cremalheira, por muito estilo que tivessem.

    Agora óculos com lentes não graduadas....é só para enfeitar o cenário.

    ;)

    ResponderEliminar
  3. Mak, estás fora. As botas ortopédicas tb já estão na moda, e em várias cores. chamam-lhe é outra coisa qualquer. Vê-se logo que não lês blogs fashion :P

    ResponderEliminar
  4. Epá, só ando com uma pala no olho também não posso seguir tudo...

    (tomara ler o meu, quanto mais os blogs fashion)

    ResponderEliminar
  5. por aqui já se começou a seguir a moda do gesso e das canadianas para exibir de forma orgulhosa as assinaturas e mensagens dos amigos e conhecidos - um sonho de criança. Bem haja, a moda...

    ResponderEliminar
  6. Sim, as botas ortopédicas estão na moda, com a agravante que são ainda mais feias:
    http://www.google.pt/search?q=Jeffrey+Campbell+Lita&hl=pt-PT&prmd=imvns&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ei=S-lVT_C5Icm80QW-n4j9CQ&ved=0CGkQsAQ&biw=1440&bih=806

    Paula

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.