13.3.12

Esta tarde dei uma abada ao Nick Cave

Foram horas com ele a bombar a artilharia pesada, os êxitos escondidos e as armas de desespero. Certamente não se lembrou da última vez que nos vimos ao vivo, quando lhe disse “Nick, a tua música é do caraças mas não me arrastas para esse covil negro de onde vem a tua inspiração”. É certo que na altura estavas no palco e eu estava na plateia, mas a forma como a seguir atacaste o “Mercy Seat” demonstrou que me ouviste perfeitamente.


Ao fim da tarde, o meu sorriso continuava lá, nem sinais de negrume no espírito ou depressão no bolso de trás das calças. Haverá coisa melhor do que apreciar música com um toque noir fora desse estado de espírito? É quase como ver programas de gordos na televisão enquanto se come uma sandes de torresmos ostentando um físico exemplar.


Nick, se já aprendeste português só para ler este blog, lê o que te digo - és o maior e não te desencantes por isto. Nunca te vai faltar gente depressiva para lhes dares falta de sentido à vida e, aconteça o que acontecer eu nunca vou deixar de te apreciar, só que à minha maneira estupidamente positiva.


E agora bota aí um Weeping Song para me alegrares.

2 comentários:

  1. Também não sou fã de coisas deprimentes. Aprecio o Nick mas adoro o meu positivismo.

    ResponderEliminar
  2. Bem... até ele tem a canção "Dead is Not The End"...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.