26.1.12

Os condenados também se abatem

Já tinha passado a fase de ter medo. Aliás, o segredo por detrás da calma que mostrava na hora da sua execução era o facto de não haver segredos. Sabia o que tinha feito, a razão pela qual o tinha feito, sabia porque tinha sido condenado, quando e como ia ser executado e que quase todas as pessoas, senão mesmo todas, não esperavam mais de si do que a notícia da sua morte.

No entanto, ao ver a respiração condensada dançar à frente dos seus olhos naquela fria e húmida manhã de Janeiro, lembrou-se de algo de que tinha saudades de fazer pela última vez e se havia altura pior para ter saudades do que quer que seja era aquela, com oito tipos de espingarda em punho a menos de 10 metros.

- Tem algum último pedido? – O oficial de serviço era sensivelmente da sua idade e parecia estar mais nervoso do que ele.

- Sim, se for possível, aproveitando o facto de sermos da mesma idade, gostava de falar um ou dois minutos sobre bandas dos anos 80...

- Muito bem – o oficial permitiu-se um ligeiro sorriso – é um tema interessante. Pelotão, aguardar a minha ordem para disparar.

- Epá, agradeço imenso, tenho aqui uma música na cabeça e falta-me o nome da banda. Era aquela que começava com uma letra muito nonsense tipo “Hot dog, jumping frog...”

O oficial sorriu, desta vez de forma mais aberta. Sabia bem do que ele estava a falar, curiosamente aquela música também tinha feito as delícias dos seus tempos de jovem. A resposta foi quase imediata.

- O que eu gostava dessa música. E o nome da banda, fogo...para me lembrar de...

Demorou alguns segundos a perceber o que acontecera, ao concluir a frase por instinto.

-...Prefab Sprout...

Ao contrário dele, o pelotão nunca relaxara, aguardando a ordem final. A conversa informal só contribuíra para os enervar naquele eterno momento de espera, aquele “fogo” involuntário tornou-se numa ordem e tudo seguiu o seu caminho, menos a última resposta. Talvez o condenado estivesse destinado a morrer sem saber a resposta ou porventura teria conseguido ouvi-la milésimos de segundo antes de tombar. Bem, pelo menos sempre eram os Prefab Sprout e não os Level42.

Subiu as escadas vagarosamente assobiando baixinho a tal faixa. Se existir algo para desta vida, certamente que hoje tinha ajudado um homem a ter uma história para contar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.