24.1.12

O problema da publicidade humana enganosa

Quem, como eu, lida de perto com a lógica “aspiracional” sabe que essa é uma ferramenta muito comum em publicidade. A tua cara metade “pode” ficar tal e qual um modelito de bom porte atlético usando este perfume. Não és um totó de meia idade a ficar ligeiramente careca com este pujante carro como teu bólide. Isto não é um telemóvel, é uma varinha de status social, que transforma em magia todas as tuas acções quotidianas. Quanto mais estranha for a substância que eu te referir, da baba de caracol ao extracto de borras de caju, melhor será o benefício que este produto oferece à tua pele, ao teu cabelo ou até mesmo às unhas dos pés.

O problema não está em ter aspirações, é não saber a partir de quando é que estas são ilusões ou, pior ainda, não ter noção da realidade e acreditar em soluções milagrosas.

E se dizer mal da publicidade, enquanto agente comercial que estimula necessidades que porventura não deviam existir nas pessoas, pode ser um consolo e uma justificação válida para alguns, não só não resolve o problema como é uma fraca desculpa.
Nos dias que correm, as pessoas deviam estar mais preocupadas com o facto delas próprias serem muitas vezes a pior publicidade que podiam fazer a elas próprias. E enquanto isso não houver consciência disso, não há maior exemplo de publicidade enganosa por detrás desse produto.

O resto, se tudo correr bem, virá por arrasto.

2 comentários:

  1. Como ex-publicitária que se cansou de tanto enganar ao ponto de se sentir ela própria enganada, e um engano, concordo em absoluto. Principalmente com a parte da publicidade humana enganosa. Há para aí tanto anúncio Channel do Martim Moniz...

    ResponderEliminar
  2. Ao contrário da publicidade, nas relações entre pessoas não tem necessariamente de haver um propósito comercial que leva a embelezar a realidade.

    Também é verdade que nem sempre temos a percepção exacta de nós próprios, da mesma forma que a nossa voz soa diferente quando a ouvimos em directo ou reproduzida.

    Mas, eu diria que boa parte das pessoas prefere nem sequer questionar-se sobre si mesma. Se não se falar sobre isso, a coisa não existe é uma corrente de pensamento muito em voga...

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.