27.7.11

Quem se mete em conclusões, mete-se em trabalhões.

Na sequência deste post, Mak serve cultura mas sem talheres, que é para ninguém fazer confusão.

‪Orquídea Selvagem disse... Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura!


E eu explico (a ausência de letras capitais pode ser lastimosa, apesar do valter hugo mãe discordar):

Há já algum que o dono da loja tinha tido aquela que ele considerava ser uma ideia brilhante. Se o centro comercial tinha uma cascata na rotunda onde afluía a maior parte das pessoas, porque não mudar a sua loja para esse spot e aumentar assim a clientela. Ninguém o apoiava nessa ideia e muitos eram até os que lhe tentavam demonstrar que aquilo tinha pouco de brilhante e podia dar mau resultado se fosse em frente.

Mas, como todos os donos de qualquer coisa, há uma vozinha no seu cérebro, por mais diminuto que seja, que lhes diz “Tu és o dono, tu podes fazer o que quiseres, tu és empreendedor, dinâmico e as tuas ideias têm tudo para bater certo”. E foi assim que, numa espécie de quase-maravilha do design aquitectónico (sem “r”), que mesmo debaixo da cascata, nasceu a primeira loja Pedra Dura debaixo de água.

No entanto, apesar do empreendedorismo, o dono da loja era forreta e poupou no investimento, optando por materiais mais baratos e subvertendo algumas regras de segurança. Não demorou muito até que toda aquela água causasse estragos, ainda que mínimos mas o dono da loja cego pelo ego inchado que elogios de trazer por casa e mais clientes conferiam, nada fez. Até que, no primeiro aniversário da loja, se deu a tragédia e o site do Correio da Manhã foi o primeiro a noticiá-la.

“Água mole em loja Pedra Dura, tanto lhe deu até que furou.”

E, a partir daí, em todos os negócios que o dono da loja se meteu, os mesmos meteram água.

1 comentário:

  1. És terrível! Consegues dar sempre a volta ao texto!
    Ainda te arriscas a um NOBEL... olha que chatice!

    Gostei! :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Se vais dizer alguma coisa, escreve, não fiques para aí a olhar.